Coluna Esplanada

Anotações de Machado preocupam o PMDB
O pânico de caciques do PMDB vai além das gravações reveladas a conta-gotas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Os senadores Renan Calheiros e Edison Lobão, e o ex José Sarney, além do núcleo duro do PMDB, temem o que pode conter no material apreendido pela Polícia Federal na 15ª fase da operação Lava Jato na casa de Machado, em Fortaleza. A informação sigilosa é de que há planilhas com nomes e valores nos mesmos moldes do controle da ‘diretoria de propinas’ da Odebreccht.

Varredura geral
Na operação Catilinárias, a PF fez devassa em residências e escritórios de Eduardo Cunha, de Henrique Alves, hoje de volta ao Turismo, e de Edison Lobão.

Passou recibo
Um parlamentar está desesperado, desde dezembro, quando a PF levou os celulares de Cunha. Ele mandou várias mensagens e descobriu que o aparelho já estava apreendido.

‘Impeachmentômetro’
Senadores fiéis à presidente afastada Dilma criaram o ‘Impeachmentômetro’ para monitorar a eventual reversão de votos após as gravações que colocaram o PMDB contra a parede. Espalham que já reverteram seis votos. Temer, oficialmente, está mantido no cargo por um de vantagem, pelo resultado da admissibilidade no plenário.

No muro
O governo Temer não convenceu o senador Cristovam Buarque (PPS-DF). Elenca erros “básicos”: extinção e recriação – do Ministério da Cultura, “a escalação de ministros que não representam a diversidade” e a extinção do Ministério de Ciência e Tecnologia.

Do bolso
Ex-ministros do governo Dilma estão tendo que tirar dinheiro do bolso para participar de encontros com aliados e movimentos sociais que permanecem disseminando a tese do golpe e ainda alimentam a esperança na volta da petista.

Arroz de festa
Patrus Ananias, ex-ministro do Desenvolvimento Agrário, e Tereza Campelo, ex Ministério do Desenvolvimento Social, não economizam: atendem a todos os convites.

Fogo na língua
Anda com discurso inflamado Carlos Gabas, o ex-ministro da Previdência: “Temer fez um desmonte, um estrago na Previdência. Isso é um absurdo. Irresponsável.”

Fogo na língua 2
Ex-líder do Governo, o senador Humberto Costa (PT-PE) não entende a “cegueira” da Justiça. Diz que os diálogos gravados por Sérgio Machado são mais “pesados” que fatos que levaram “companheiros” à cadeia. “Só vale para um lado ?”, indaga.

Listão da CGU
Os servidores da antiga CGU, hoje ministério da Transparência, entregou um manifesto a Michel Temer com 130 entidades da sociedade civil, que apoiam uma lista tríplice de técnicos da casa para cargos de chefia nas seccionais e diretorias, em Brasília.

Boletim
Recorreu a resposta pedagógica o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha (PB), sobre que nota daria a Temer: “Dar nota a um aluno quando ele está ainda respondendo à chamada do professor é algo difícil.”

Insônia
Romero Jucá, alvo das gravações de Sérgio Machado, foi acalmado por advogados, sobre seu caso ser diferente do de Delcídio do Amaral. No episódio do petista, houve oferta clara de propina, segundo eles, diferente do caso do peemedebista.

Olha o respeito!
Romero Jucá e Telmário Mota (PDT), da base de Dilma, trouxeram a rinha pessoal de Roraima para o Senado. Jucá se refere ao colega como “bandido”. Telmário, à Coluna, rebate: “Ele pensa que sou da laia dele. Além de bandido é golpista”.

Ponto Final
“O governo Temer se supera em contradições a cada dia que passa. Não convenceu e não vai convencer”, do deputado Sibá Machado (PT-AC)

Comentários via Facebook