Amazonas já possui 9 mil placas do Mercosul, aponta Detran-AM

Desde o dia 10 do mês de dezembro, nenhum carro é emplacado com o modelo antigo no Amazonas, pois a nova é difícil de ser clonada e válida para o bloco de países sul-americanos

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Em menos de um mês, 9 mil placas do modelo Mercosul já foram emplacadas no Amazonas, de acordo com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM). Considerada mais segura pela dificuldade na clonagem, alguns proprietários pediram por iniciativa própria, a substituição do modelo antigo pela placa Mercosul , no Estado, segundo o órgão.

Desde o dia 10 do mês de dezembro, nenhum carro é emplacado com o modelo antigo no Amazonas. O diretor-presidente do Detran, Rodrigo de Sá, afirmou que a placa traz componentes de segurança como a faixa holográfica, marcas d’água com a inscrição do País e do Mercosul que dificultam a clonagem praticada pelos criminosos para a venda de veículos roubados.

Na placa Mercosul o controle de segurança é feito por meio de um QR Code. Ainda segundo Rodrigo, o valor para o emplacamento continua sendo o mesmo R$ 221,19. “Informações do QR Code, no qual estão inseridos as informações do fabricante da placa, do número de série da placa e também os dados do veículos e até mesmo do condutor quando inserido”, informou o diretor.

Na nova placa, o controle de segurança é feito por meio de um QR Code. (Foto: Eraldo Lopes/RDC)

O Detran ainda alertou que não há obrigatoriedade da troca de placa para os carros antigos. Somente os veículos novos, na primeira transferência de propriedade e na primeira troca de jurisdição (Estado) terão obrigatoriamente o modelo Mercosul.

Os condutores que tiverem interesse em trocar a placa por iniciativa própria também poderão fazer a substituição. Esse foi o caso de 141 proprietários, que neste primeiro mês de implantação da placa Mercosul optaram pela troca.

“A placa mantém o seu preço. O Estado do Amazonas não onerou o cidadão em nenhum centavo. A placa custa um pouco mais de R$ 221 o par E R$ 185 a placa unitária. Os veículos novos, obviamente, já saem com o novo modelo”, disse o diretor.

Ele relembra que na primeira troca de placa, o veículo permanece com o novo modelo por toda a vida útil do veículo, até mesmo em transferências de Estado. “Lembrando que a placa vai permanecer com o veículo a vida toda. Se você tem um veículo e vai vender para outra pessoa, você vai trocar para aquele novo modelo (na transferência) e aquele veículo permanece com a placa inclusive em outros Estados”, informou.

Clonagem

Além dos códigos alfanuméricos com a entrada de uma nova letra, outra novidade é a cor da placa. Na antiga os tipos de emplacamentos eram diferenciados pela cor de fundo da placa, a partir de hoje o fundo permanece branco para todos os veículos, mudando somente a cor da borda e das letras, conforme informou o diretor da Central de Placas, Jonas Martins.

Carros oficiais, da união, estados e municípios passam a ter a cor azul, a dourada representa veículos diplomáticos. Já a inscrição alfanumérica vermelha da placa é destinada a identificar os carros de aluguel e de autoescolas, enquanto a cor cinza é destinada aos veículos de coleção.

“Tudo isso visa fortalecer o projeto de segurança. Não é um capricho do Detran Amazonas ou do Brasil. É uma necessidade. Daqui a pouco as combinações alfanuméricas estariam se encerrando. Com a ampliação do número da frota se viu a necessidade da colocação de mais uma letra”, disse Martins.

Estado foi o segundo do País a implantar a mudança

O Amazonas foi o segundo a implantar a placa, na data limite fornecido pelo Denatran. O Estado do Rio de Janeiro começou a emplacar o modelo Mercosul em setembro.

Além de remover os brasões dos Estados e permitir a diminuição das chapas, o órgão de trânsito federal alterou o prazo para iniciar a implantação das placas prevista inicialmente para 1º dezembro. Cada Estado recebeu uma nova data conforme publicação no Diário Oficial da União (DOU) em agosto deste ano.

As mudanças se aplicam a automóveis a serem registrados, em processo de transferência de cidade ou de propriedade, ou quando houver a necessidade de substituição das placas. Antes, qualquer alteração de localidade do veículo exigia na troca das chapas, o que gerava novos gastos para o proprietário.

A resolução estabelece ainda que, quando a placa não couber no receptáculo a ela destinado no veículo, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) poderá autorizar a redução de até 15% no tamanho.