Após manifestação, servidores da Saúde aceitam proposta de reajuste de 24,20%

O movimento de trabalhadores que fechou a Constantino Nery, em protesto contra o governador, afirmou que não apoia a decisão. Reposição salarial será escalonada até 2020

Sofia Lorrane / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Após pressão e manifestação dos servidores estaduais da Saúde, a categoria entrou em um acordo com o governo para reposição salarial de 24,20% e pagamento do vale-alimentação de R$ 420, durante reunião, na tarde desta quinta-feira (12), no Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques. O reajuste dos servidores será escalonado até 2020, conforme informou Naldo Vasconcelos, que é um dos membros da comissão diretora do Movimento Organizado dos Trabalhadores da Saúde do Amazonas (MOTS-AM).

Servidores bloquearam um trecho da Constantino Nery (Foto: Édria Caroline/Divulgação)

De acordo com Vasconcelos, o movimento não apoia a decisão, que foi fechada entre o governo e os representantes de sete sindicatos da área da Saúde, porque era exigido o reajuste de 18%, neste ano, e 6% em 2019, além do pagamento do vale-transporte.

“Esse acordo decidido pelos sindicatos dos dentistas, farmacêuticos, psicólogos, agentes de endemias, médicos e o Sindsaúde, não contempla o que a gente pediu, no meu ponto de vista a categoria está massacrada. Infelizmente foi esse acordo, que, para mim, vai prejudicar principalmente o interior. Não foi um acordo justo, é lamentável, é uma miséria”, disse.

Ainda conforme Vasconcelos, ficou acertado que, neste ano, serão pagos 2,68%, referente à data-base de 2018, mais 8,17% referente à data-base de 2015, totalizando 10,85%. Em 2019, serão pagos 9,27%, referente à data-base de 2016, e mais a data-base de 2019. E em 2020, ainda conforme Vasconcelos, serão pagos 4,08%, referente à data-base de 2017, mais à data-base de 2020, além do vale-alimentação, no valor de R$ 420. “Essas datas-bases serão pagas no dia primeiro de maio, todos os anos. O vale-alimentação será a partir de junho e irá atingir todos os funcionários, tanto da capital quando do interior”, disse.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Área de Saúde do Amazonas (Sindsaúde-Am), Cleidinir Francisca do Socorro, afirmou que a decisão foi um consenso de todos. “Esses 24% corresponde a todas as perdas, já fechamos o acordo, chegamos a um denominador e as principais solicitações da categoria foram aceitas. Todos os sindicatos estavam na reunião”, contou.

Protesto

Cerca de 300 servidores da rede estadual de Saúde fecharam a Avenida Constantino Nery, nos dois sentidos, por volta das 10h desta quinta-feira, em protesto contra o governador Amazonino Mendes. O protesto foi realizado para repudiar uma reunião, que aconteceu no fim da tarde da última quarta-feira (11). Segundo manifestantes, o secretário reuniu apenas com sindicatos da base aliada ao governo para uma conversa a portas fechadas.