Estado garante a data-base dos servidores da Seduc

Reajuste aprovado é de 9,37% da data-base da Educação. A confirmação do pagamento contraria informações que circularam nas redes sociais de que o aumento não haveria o pagamento

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O governo do Estado vai pagar o reajuste de 9,37% da data-base dos servidores da Educação. A informação foi confirmada, no sábado (5), pelo secretário de Estado de Fazenda (Sefaz-AM), Alex Del Giglio, e reafirmada pelo futuro secretário de Estado de Educação (Seduc- AM), Luiz Castro. O pagamento é um compromisso do governador Wilson Lima com a categoria.

A data-base será ‘rigorosamente respeitada’ e todos os profissionais da Educação receberão, ainda este mês, a diferença adicional em seu contracheque, segundo Luiz Castro, que assume como titular da secretaria até o fim deste mês, após o término do mandato de deputado estadual.

“O reajuste virá na folha deste mês, fazendo com que a remuneração tenha esse justo e merecido ganho. As ‘fakenews’ que espalham nas mídias sociais não farão efeito diante da realidade dos fatos: professores, pedagogos e os demais servidores da Educação, no interior e na capital, serão respeitados”, afirmou Luiz Castro.

O reajuste virá na folha de pagamento de janeiro, segundo Luiz Castro. (Foto: Divulgação/Seduc-AM)

‘Fake news’

A informação desmente a notícia que se tentava espalhar de que não haveria o pagamento. A notícia falsa tomou como base um trecho do relatório, entregue pela equipe de transição, que indicava os riscos do futuro Governo na área, mas omitia os trechos onde são colocadas as ações mitigadoras apresentadas pela equipe da Educação para que o pagamento fosse feito.

Segundo a Sefaz-AM, o pagamento será feito como prioridade pelo novo Governo, que tem no orçamento estadual para 2019 um déficit com despesas de pessoal na ordem de R$ 600 milhões.

A preocupação com a gestão financeira da Seduc já foi manifestada por Luiz Castro que anunciou a revisão dos contratos que foram firmados pelos últimos governos, conforme orientações do governador Wilson Lima. Segundo o novo secretário de Educação, o objetivo da revisão dos contratos é identificar possíveis vícios e trabalhar correções.

Contratados

Aos servidores, Castro anunciou, ainda, que pretende analisar a situação dos mais de 750 professores que foram contratados em um regime que não existe na Lei. “Foi criado aqui um regime especial de emergência e cujo vigor se encerrou em dezembro. Temos que resolver esse problema que deve ser promovendo a carga dobrada e talvez até um processo seletivo para suprir essas vagas”, afirmou. Além disso, deverá ser feito o chamamento dos novos professores concursados até o final do primeiro semestre.