Familiar de paciente relata que Hospital João Lúcio não possui material para cirurgia

Além disso, Maria Odete Rego Martins revelou que após cirurgia feita em seu filho, foram encontrados tapurus no ferimento, por conta da quantidade de moscas existentes na Sala de Trauma da unidade de saúde

Bruno Mazieri / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Dois dias após denúncia feita pela REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) de que o Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, no bairro Coroado, zona leste da cidade, estava sem tomógrafo em funcionamento e também sem ambulância UTI para transporte de pacientes para outras unidades de saúde do Estado, uma nova denúncia foi realizada, na manhã desta quinta-feira (23), sobre a falta de material para realização de procedimento cirúrgico.

Mais uma denúncia contra o Hospital e Pronto Socorro João Lúcio: unidade de saúde está sem material para realização de procedimento cirúrgico. (Foto Reinaldo Okita/Diário do Amazonas/Arquivo)

Maria Odete Rego Martins, 61, está com o filho Charles Nogueira da Silva, 44, internado no local desde a primeira quinzena de agosto, quando ele sofreu um grave acidente durante deslocamento ao município de Presidente Figueiredo (a 117 quilômetros ao norte de Manaus). De acordo com ela, ele passou por uma cirurgia, logo em seguida, na região da perna direita, envolvendo panturrilha, joelho e coxa.

“Até aí estava tudo certo, o problema começou quando foi necessário fazer o curativo na Sala de Trauma, onde ele estava por conta de uma forte tosse. Ao tirar o curativo, foi encontrada uma série de tapurus, oriundos de moscas que estavam na sala e pousaram no local da cirurgia, depositando ovos”, relatou a mãe. Silva passou, novamente, por uma cirurgia para a retirada das larvas, que segundo Maria Odete, eram muitas.

Além disso, o paciente está com uma das costelas e o braço direto quebrados e a mãe afirma que a unidade de saúde não possui material para a realização de procedimento cirúrgico. “Ele não pode nem ser transferido para outro hospital, pois o pulmão dele está perfurado e o estado de saúde dele é bem delicado. Atualmente, meu filho está na UTI do João Lúcio e sedado por conta da agitação contínua. Não sei mais o que fazer”, contou ela.

Maria Odete informou, também, que está preparando um relatório sobre todo o “descaso” com seu filho e que pretende entregar ao governador Amazonino Mendes e também a todos os candidatos que estão concorrendo ao cargo de governador do Estado, nas Eleições de 2018.

Por meio de nota, a direção do Hospital e Pronto-Socorro (HPS) João Lúcio Machado informou que o paciente, vítima de acidente de moto, deu entrada na unidade no último dia 29 de julho, com múltiplas fraturas no ombro e no fêmur e está internado na UTI. Foi feita cirurgia para correção de fêmur, mas como seu estado é grave e instável e faz uso de drogas sedativas, o paciente aguarda ter condições clínicas para passar por novos procedimentos cirúrgicos, desta vez no ombro. A direção informou, ainda, que o paciente também precisou passar por limpeza cirúrgica em ferimentos, o que é comum em pessoas na condição dele e com longo período de internação. A direção da unidade também informou que técnicos da fabricante do tomógrafo da unidade estão em Manaus e já iniciaram o conserto do aparelho, que apresentou defeito. O equipamento deve ficar pronto até o final desta semana. Pacientes que precisam de tomografia estão sendo encaminhados ao HPS Platão Araújo.

Tomógrafos

Nesta terça-feira (21), a RDC já havia registrado a denúncia de Soraya Gomes de Brito, 40, que está com a mãe internada no local desde o dia 26 de julho deste ano. Na oportunidade, a filha da paciente disse que a idosa de 65 anos havia passado por uma cirurgia no cérebro por conta de derrame, mas que precisaria fazer o exame de tomografia para saber se o procedimento teve sucesso.

Ainda nesta quinta-feira (23), a equipe de reportagem retomou o contato com Soraya que informou que a mãe dela permanece, ainda, na UTI do João Lúcio, sem abrir os olhos e nem responde a comandos de voz. “Os médicos fizeram quatro pedidos de exame, mas nenhum foi atendido por falta do funcionamento do aparelho. Agora, pelo que percebi, eles ‘desistiram’ afirmando que, como o caso dela é estável, não se faz mais necessária a tomografia”, relatou.

Além disso, Soraya destacou que o aparelho permanece sem funcionar e que não há ambulância com UTI para realizar o deslocamento da mãe para outra unidade de saúde que esteja com o aparelho de tomografia funcionando. “Eu e todas as outras famílias permanecemos no mesmo estado, todos esperando. A tomografia é importante, pois atesta se o procedimento médico, de fato, teve sucesso”, finalizou.

Na oportunidade, a Susam informou, por meio de nota, que “os tomógrafos dos prontos socorros João Lúcio Machado e 28 de Agosto apresentaram defeito devido ao tempo de uso e por terem ficado muito tempo sem manutenção nas gestões passadas” e que o “Estado possuía uma dívida de R$ 1,3 milhão com o fabricante do equipamento”, mas que já foi sanada.

A secretaria ressaltou, também, que estava prevista para esta quarta-feira (22), “a chegada a Manaus de técnicos da empresa fabricante para a realização da troca de peça e o conserto dos equipamentos” e que “enquanto isso, os pacientes do 28 de Agosto e do João Lúcio, que necessitam desse atendimento, estão sendo removidos em ambulâncias próprias das unidades, para a realização da tomografia em outras unidades da rede estadual”.

***Atualizada às 18h05 para acréscimo de informações***