Juiz ouve testemunhas de defesa de PMs envolvidos em desaparecimento de jovens

O trio desapareceu, em outubro de 2016, no bairro Gilberto Mestrinho, zona leste. A defesa dos PMs solicitou um policial militar para também ser ouvido em defesa dos oito réus do processo

Manaus – A Justiça ouviu, em audiência de instrução e julgamento, nesta segunda-feira (26), três testemunhas de defesa dos policiais militares, suspeitos do desaparecimento de Alex Júlio Roque, 25, Rita de Cássia Castro da Silva, 19, e Weverton Marinho Gonçalves, 21. O trio desapareceu, em outubro de 2016, no bairro Gilberto Mestrinho, zona leste de Manaus, após a abordagem policial, no dia 29 de outubro de 2016.

A Justiça ouviu, em audiência de instrução e julgamento, nesta segunda-feira (26), três testemunhas de defesa dos policiais militares. (Foto: Divulgação/ Igor Braga)

O juiz titular da 3ª Vara do Tribunal do Júri, Mauro Antony, ouviu as três testemunhas de defesa, sendo que uma delas também foi convocada pela acusação. A defesa solicitou um policial militar para também ser ouvido em defesa dos oito réus do processo.

A 3ª Vara do Tribunal de Júri concedeu a solicitação e a testemunha solicitada será convocada. A previsão é que o policial militar seja ouvido na próxima audiência que ainda não tem data para ocorrer. Na próxima audiência, em data ainda não definida, conforme o TJAM, os réus também serão interrogados. “Depois disso, a (fase de) instrução encerra e os que forem pronunciados irão a Júri Popular”, apontou o juiz Mauro Antony, via assessoria de imprensa do TJAM.

No processo, são réus os policiais militares Luiz da Silva Ramos, José Fabiano Alves da Silva, Edson Ribeiro Costa, Ronaldo Cortez da Costa, Eldeson Alves de Moura, Cleydson Enéas Dantas, Denilson de Lima Corrêa e Isaac Loureiro da Silva. À época, eles eram lotados na 4ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom).
Conforme o TJAM, a audiência iniciou ao meio-dia e terminou às 13h45. O procedimento processual foi realizado na sala de audiências do Fórum Henoch Reis, localizado na zona centro-sul da capital.

Desaparecimento de jovens

Consta na denúncia apresentada pelo MPE que o trio foi sequestrado, na madrugada do dia 29 de outubro de 2016, no cruzamento das ruas Sobral com a Rua Angelo Bitencourt, próximo a uma drogaria, na Comunidade Novo Reino, Conjunto Castanheira, no bairro Gilberto Mestrinho.

O trio, segundo a denúncia, foi abordado pelos policiais, Edson, Ronaldo, Luiz Ramos e José Fabiano. Em seguida, se envolveram na ocorrência Edson, Ronaldo, Eldeson e os demais réus.

Após ser detido, o trio desapareceu. Testemunhas e provas técnicas obtidas por meio de sequências telefônicas indicam que os suspeitos se comunicaram sobre o ocorrido e que foram até o Ramal do Brasileirinho, na zona leste, onde segundo o MPE, nunca foram encontrados.

Familiares sentem medo

Familiares das três pessoas que desapareceram depois de uma abordagem de Policiais Militares (PMs) pedem justiça e segurança por parte do Estado. Eles afirmam que precisaram mudar das casas onde moravam, por medo. “Carros diferentes, que nunca foram vistos antes, passavam por lá e ficavam observando. Chegamos a ver, também, viaturas da polícia, que sempre ficavam vigiando a casa”, disse Lindalva de Sousa Castro, mãe de Rita de Cássia.