Manaus: bombeiros são acionados para retirar, em média, um anel por dia

No ano passado, 366 pessoas precisaram acionar o Corpo de Bombeiros para o corte de anéis, em Manaus. Os atendimentos da corporação vão além de incêndios e acidentes

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Dentre os mais de quatro mil atendimentos realizados pelo Corpo de Bombeiros ao longo do ano passado, em Manaus, alguns chamam atenção. Em média, todo dia, uma pessoa precisou acionar os bombeiros para o corte de anéis: foram 366 chamados em um ano. Somente nos três primeiros meses de 2018, 24 pessoas não conseguiram retirar alianças e anéis e recorreram ao órgão.

Em primeiro lugar no número de atendimentos, não estão os casos de incêndio ou de pessoas presas em acidentes de trânsito, e sim o controle de insetos. Segundo o relatório de ocorrências do Corpo de Bombeiros, dentre os serviços de salvamento, busca e resgate, o controle de insetos foi o maior, 33%, atividade ofertada com 623 chamados no ano passado.

Outro serviço incomum dos bombeiros é salvamento de animal doméstico. Em 2017, foram 92 salvamentos (Foto: Nathalie Brasil/22-09-2011)

Já no primeiro trimestre deste ano, o número deste tipo de ação cresceu 52%, quando comparado ao mesmo período do ano anterior, saindo de 113 para 172. A cada dez atendimentos do Corpo de Bombeiros, pelo menos um era para controle de insetos, segundo os dados de 2017.

O major do Corpo de Bombeiros, Janderson Lopes, explica que esse tipo de ocorrência é, de fato, costumeira para a corporação. Geralmente, segundo ele, os insetos, como abelhas e vespas (caba), se instalam dentro das casas, obrigando os moradores a acionar os bombeiros.

“Tem situação de residência que tem crianças e a nossa corporação faz a retirada desses insetos. Existem casos que vai ter que ser feito a eliminação desses insetos, geralmente nem precisa, porque a equipe tira aquela ‘casa’. Só que a população tem que ter cuidado se for fazer isso sozinha, porque, quando mexe com o fogo, pode colocar em risco a sua residência”, alertou o major.

Outro serviço incomum dos bombeiros é salvamento de animal doméstico. Em 2017, foram 92 salvamentos na capital. Já neste ano, até março, 75 filhotes de gatos e cachorros tinham sido salvos pela corporação. No último dia 21 de abril, um cão filhote foi resgatado pelos bombeiros, após cair em uma tubulação de esgoto. O caso ocorreu em uma casa, na Rua Macurani, no Educandos, zona sul.

De acordo com a corporação, o proprietário da casa havia retirado o vaso sanitário e o cano ficou aberto no local. Três filhotes entraram no cano, mas apenas dois conseguiram ser resgatados pelo dono, que precisou acionar os bombeiros na busca pelo terceiro.

No mesmo mês, mas em Parintins (a 369 quilômetros a leste de Manaus), um filhote de cachorro com pouco mais de uma semana foi resgatado pelo órgão, após ficar com o pescoço engatado em um pedaço de tubo. O animal estava preso no material de ferro há dois dias.