Livro com pesquisas de amazonenses será lançado em Portugal

Com informações de assessoria / portal@d24am.com

Manaus – O livro “Espaço, Saúde e Ambiente na Amazônia: Ensaios de Geografia da Saúde” será lançado, no mês de março, nas universidades de Coimbra e Lisboa, em Portugal. A obra reúne estudos de pesquisadores do Amazonas e de países como Argentina, México, Portugal e Moçambique. O livro recebeu apoio do Governo do Estado via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

A obra, organizada pelos professores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) José Aldemir de Oliveira e Geraldo Alves de Souza, está dividida em duas partes: a primeira aborda questões conceituais da geografia na saúde e a segunda apresenta pesquisas específicas desenvolvidas no Amazonas. Esses estudos são de pesquisadores da Ufam, Ifam, UEA e UFPE.

“Para a primeira parte do livro foram convidados especialistas da área de geografia da saúde. São pesquisadores renomados que escreveram textos refletindo sobre essa área do conhecimento. A obra possui as pesquisas que estavam, à época, em fase de conclusão, e que receberam apoio financeiro do Programa de Apoio a Núcleos de Excelência- Pronex – Cidades Regionais e Locais, financiado pela FAPEAM e CNPq”, disse o professor José Aldemir.

De acordo com o professor, o livro começou a ser elaborado em 2015. No entanto, os primeiros passos para composição da obra tiveram início em 2014, durante o Encontro Internacional de Geografia da Saúde, ocorrido em Manaus. Na ocasião, os pesquisadores participaram de reunião com os organizadores do livro.

“O livro foi lançado em meados de 2016, mas foi  preparado ao longo do ano de 2015. Foi um processo intenso. Recebemos os textos dos pesquisadores de fora, revisamos, enviamos de volta para revisão e depois eles nos encaminharam novamente. O processo de seleção de pesquisadores ligados ao Núcleo de Estudos e Pesquisas das Cidades da Amazônia (Nepecab) também foi criterioso. E, agora, no início deste ano, foi feita a primeira reimpressão”, contou o professor.

Comentários via Facebook