Cheia do Rio Negro deverá atingir 15 bairros em Manaus, informa CPRM

Segundo o Departamento de Operações da Defesa Civil Municipal, os bairros que serão afetados já estão sendo monitorados e, amanhã, o CPRM divulga os dados do 1º alerta de cheia

Gisele Rodrigues / portal@d24am.com

Foto: Reinaldo Okita

Manaus – O relatório do Departamento de Operações da Defesa Civil Municipal indicou que 15 bairros da capital devem ser afetados pela cheia deste ano. Segundo o órgão, já foi iniciado o monitoramento nos prováveis bairros que serão atingidos pela cheia. Todo o trabalho de ajuda humanitária, segundo a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh), ocorre a partir da confirmação da cheia, que será divulgado nesta sexta-feira, 31, pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Todos os anos o CPRM emite três alertas de cheia, o primeiro será emitido nesta sexta-feira. Conforme a régua do Rio Negro, medida pelo Porto Privatizado de Manaus, o afluente está 52 centímetros acima do nível registrado no mesmo período de 2015, ano na última enchente.

Entre os bairros já monitorados pela Defesa Civil estão o Tarumã, Mauazinho, São Jorge, Educandos, Raiz, Betânia, Presidente Vargas, Colônia Antônio Aleixo, Aparecida, Centro, Santo Antônio, Cachoeirinha, Glória, Compensa e Puraquequara.

A partir da confirmação de cheia pelo CPRM, as 3.600 famílias catalogadas, em 2015, segundo a Semasdh, farão uma atualização cadastral. Segundo o órgão, após essa atualização, os nomes serão mandados para o governo federal, solicitando ajuda humanitária.

 

Ações humanitárias

Os recursos do auxílio-aluguel para as famílias desabrigadas e dos benefícios auxiliares como cestas básicas, colchões e água potável são disponibilizados pelo governo federal, de acordo com a Semasdh. O órgão informou que na última cheia, em 2015, R$ 4 milhões foram gastos com ações humanitárias para as famílias desabrigadas na capital.

No interior do Estado, a cheia já atinge cinco municípios, que decretaram estado de emergência. O decreto publicado na terça-feira (28), afirma que a enchente no município de Canutama está destruindo plantações e criações, causando danos à população, além de diversos problemas ambientais.

Os municípios de Guajará, Ipixuna, Eirunepé e Itamarati, na calha do Juruá, também, decretaram estado de emergência devido o nível dos rios. Segundo a Defesa Civil do Estado, nessas cidades cerca de 5.970 famílias foram afetadas pela cheia na calha do Juruá.

 

Atingidos pela chuva

Devido à ação das chuvas que atingem Manaus, 349 famílias ficaram desabrigadas no período entre o fim de dezembro do ano passado até o último dia 22 de março deste ano. O dado foi informado pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh). Conforme a secretaria, os desabrigados foram atendidos pelo Auxílio Aluguel, benefício concedido a vítimas de enchentes e desmoronamentos ou a famílias que estejam em situação de risco.