Manaus apaga as luzes do Parque Lagoa Senador Arthur Vergílio Filho no sábado

Foto: Arlesson Sicsú/Semmas

Com informações de assessoria / portal@d24am.com

Manaus – Manaus é uma das 92 cidades brasileiras que estarão desligando as luzes de um monumento ou logradouro público neste sábado (25), em adesão ao movimento mundial Hora do Planeta. O local escolhido é o Parque Municipal Lagoa Senador Arthur Virgílio Filho, no Japiim, onde as lâmpadas dos 57 postes de iluminação pública, além das edificações do parque, serão apagadas e velas serão acesas para um abraço simbólico à lagoa. A programação começa às 18h30 e as luzes serão apagadas às 20h30.

No Brasil, a campanha, liderada pelo WWF-Brasil, tem como foco a urgência das mudanças climáticas e os benefícios que uma economia de baixo Carbono pode trazer ao país, o que se coaduna com a política de sustentabilidade que vem sendo implementada pelo prefeito Arthur Virgílio Neto que vem promovendo a eficiência energética com a substituição das lâmpadas de vapor de sódio pelas de LED em toda a cidade.

A Hora do Planeta é um blecaute voluntário e simbólico promovido mundialmente pela organização ambiental WWF. Neste ano a ação acontece no dia 25 de março e incentiva que entidades, empresas e pessoas desliguem as luzes entre as 20h30 e 21h30 do horário local. Criada em 2007 em Sydney, na Austrália, ela já se tornou o maior movimento pelo meio ambiente do mundo, com mais de sete mil cidades participantes em 2016 e mobilizando 1 bilhão de pessoas em todo o Mundo.

As luzes do parque permanecerão apagadas durante 60 minutos e neste período serão realizadas atividades culturais, com show acústico da cantora Lucinha Cabral, grupo de capoeira, distribuição de mudas, exposições, barracas de venda de artesanato e alimentação e aulão de zumba. Este ano, a Hora do Planeta encerra as atividades da programação da Semana da Árvore e da Água, desenvolvidas pela Semmas, em comemoração ao Dia da Árvore na Amazônia (21) e ao Dia Mundial da Água (22).

Para o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Antonio Nelson de Oliveira Júnior, o movimento tem um valor simbólico e a adesão de Manaus demonstra a disposição do município em promover uma reflexão sobre o aquecimento global e as formas possíveis de se combater esse fenômeno que já é uma realidade.

“A palavra de ordem hoje, no Mundo, é resiliência, que é a capacidade do indivíduo de se adaptar às mudanças e o nosso desafio hoje é refletir junto com a população sobre isso, além de, enquanto gestores públicos, estabelecermos os mecanismos que possibilitem essa adaptação”, explicou Antônio Nelson.

 

Comentários via Facebook