Professores da UEA confirmam paralisação para esta quarta-feira

Eles reivindicam o não cumprimento de Planos de Cargos, Carreira e Remunerações (PCCR), além das perdas salariais acumuladas. A decisão foi tomada na última sexta-feira (9)

Sofia Lorrane / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A paralisação dos professores da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) está confirmada para esta quarta-feira (14), segundo a presidente do Sindicato dos Docentes da UEA (SIND-UEA), Gimama Silva. Eles reivindicam o não cumprimento de Planos de Cargos, Carreira e Remunerações (PCCR), além das perdas salariais acumuladas. A decisão foi tomada na última sexta-feira (9) em Assembleia Geral Extraordinária do SIND-UEA.

Eles reivindicam o não cumprimento de Planos de Cargos, Carreira e Remunerações (PCCR), além das perdas salariais acumuladas. (Foto: Divulgação)

De acordo com a presidente do SIND-UEA, Gimima Silva, o dia será de luta em defesa dos direitos dos professores. “O sindicato elaborou uma programação, com atividades para nos unirmos as outras categorias de professores, como os professores da Seduc (Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino) e da Semed (Secretaria Municipal de Educação)”, disse.

A programação está prevista para iniciar às 9h, com concentração na Escola Normal Superior (ENS). Às 10h, o grupo segue para a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM) onde participa de Audiência Publica que vai discutir as demandas dos docentes. À tarde, às 15h, os professores se concentrarão em frente à sede do Governo do Estado, no bairro da Compensa, para protocolar novo pedido de abertura de negociação.

Gimima Silva ressalta que será a quarta solicitação de mesa de negociação somente nesta gestão. “Vamos protocolar mais um pedido junto ao governo do Estado, porque temos uma lista de pautas protocoladas deste outubro e não tivemos retorno. Queremos que o governo apresente um plano de desembolso”, explicou.

A UEA informou, em nota, que as atividades acadêmicas nesta quarta-feira (14) não sofrerão prejuízos, apesar do anúncio do Sindicato dos Docentes da instituição (SIND-UEA) em realizar paralisação nesta data. Todas as unidades também irão manter os serviços essenciais, que incluem os trabalhos de secretaria e protocolo, por exemplo.