Sinetram vai acionar a Justiça contra a paralisação dos rodoviários nesta terça-feira

Gisele Rodrigues / portal@d24am.com

Manaus – O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) afirmou que vai acionar a Justiça do Trabalho contra a paralisação desta terça-feira (21). Após quatro horas de interrupção, os trabalhadores das empresas de transporte público voltaram às atividades a partir das 9h. O Sindicato dos Rodoviários informou que o ato foi apenas um protesto dos trabalhadores em decorrência do atraso no pagamento do vale salarial.

O atraso do adiantamento foi confirmado pelo Sinetram, que justificou que o depósito estava previsto para hoje, mas, devido a paralisação, as empresas ficaram sem receita. “A previsão é que nos próximos dias eles recebam o adiantamento”, informou o órgão.

Cerca de 300 mil usuários do transporte público foram prejudicados com a paralisação dos rodoviários. Segundo o Sinetram, apenas 30% da frota de todas as empresas operou no início desta manhã, cerca de 400 carros dos 1.350 que operam diariamente.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Givancir Oliveira, afirmou que a paralisação foi somente um ato em protesto ao atraso e, segundo ele, partiu dos próprios trabalhadores.

“A gente convenceu a categoria de voltar, todas as empresas voltaram porque poderia prejudicar ainda mais a categoria”, disse.

Conforme Givancir, outro motivo para a interrupção foi o congelamento das negociações do reajuste salarial dos trabalhadores do ano de 2016. Segundo ele, após reunião com a Prefeitura, o Sinetram e a entidade teriam aceitado o acordo para oferecer 10% de reajuste salarial ou 8% mais plano de saúde com um dependente. No entanto, após o anúncio da retirada dos subsídios ao transporte feito pelo Governo do Estado, o Sinetram teria se retirado da mesa de negociações.

“Se até sexta não tiver um acordo, poderá sim parar 70% da frota”, afirmou o presidente do sindicato.