Após reunião, greve de ônibus em Manaus é cancelada

Após conversa com o prefeito de Manaus, Sindicato dos Rodoviários desistiu da ideia de parar o transporte público em protesto pela falta de reajuste salarial referente à data base deste ano

Da Redação / portal@d24am.com

Foto: Divulgação.

Manaus –  O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, garantiu que não haverá greve no transporte público na próxima segunda-feira (22), informação referendada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Rodoviário de Manaus (STTRM), Givancir  Oliveira. O STTRM havia prometido parar o transporte público em protesto pela falta de reajuste salarial referente à data base deste ano.

O anúncio da suspensão da paralisação aconteceu após reunião com representantes do Sindicato das Empresas de Transporte de Manaus (Sinetran) e do STTRM, no início da noite desta sexta-feira, na sede da Prefeitura de Manaus. Para o prefeito, é inconcebível que a população seja prejudicada pela relação entre patrões e empregados e, por isso, ele tomou a iniciativa de reunir as categorias e discutir o impedimento da greve.

“Aqui se desfez a ideia da greve para se pensar em uma solução. O apelo que eu faço para ambos os setores, aos rodoviários e ao Sinetram, é que percebam que há uma tarifa realista paga pelo povo e que não é mais cabível haver greve em Manaus”, disse Arthur.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Gilvancir Oliveira, elogiou a atitude do prefeito Arthur Neto, em mediar a reunião para evitar a realização da greve. “Graças ao prefeito Arthur e a sua mediação, na segunda-feira não vai ter greve. O sindicato recuou para uma segunda tentativa de negociação”, disse o rodoviário.

 

Proposta

Antes da reunião, a direção do sindicato havia informado que não tinha recebido contraproposta do Sinetram acerca do aumento salarial. De acordo com o secretário-geral do STTRM, Élcio Campos, o sindicato da categoria propôs, ao sindicato patronal, aumento salarial de 15% relativo à data base dos profissionais rodoviários que é dia 1º de maio.

Segundo o secretário-geral do STTRM, o Sinetram não fez contraproposta acerca do reajuste salarial. “A gente manda as propostas, mas não há contraproposta. A lei diz que temos que comunicar a população e é o que fizemos com 72 horas de antecedência”, afirmou Élcio, mencionando nota de anúncio de greve, segundo ele, publicada em um jornal impresso da capital.

Sobre o assunto, o assessor jurídico do Sinetram, Fernando Borges, informou, por meio de assessoria de imprensa, que desconhece o motivo da realização da nova greve. Borges acrescentou que os salários dos trabalhadores estão “em dia” e a categoria recebeu um reajuste de 10%, média acima da inflação do período, em fevereiro deste ano, quando a Prefeitura de Manaus reajustou a tarifa do transporte público para R$ 3,80. “Os compromissos das empresas com os colaboradores estão todos em dia”, disse o assessor jurídico, acrescentando que o sindicato patronal soube da paralisação por meio da imprensa.