Azione Education deixa a Fucapi depois de ser barrada por conselho

Grupo informou ao MP-AM que vai se ‘afastar’ das operações da instituição, após episódio de expulsão de representantes do grupo por seguranças da Fucapi, na última quinta-feira

Da Redação

Manaus – A Azione Education decidiu suspender atuação à frente da Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica (Fucapi), conforme consta na ação de intervenção judicial do Ministério Público do Estado (MP-AM), em que a empresa entrou como terceira interessada na última quinta-feira (7). No mesmo dia, seguranças armados contratados pelo Conselho da Fucapi impediram a entrada de funcionários da empresa, segundo denunciou a Azione no processo.

Situação da Fucapi permanece com incertezas sobre suas atividades. (Foto: Sandro Pereira)

A empresa também citou no processo que, desde o dia 25 de abril, não consegue emitir boletos, porque o Conselho bloqueou o acesso da empresa ao sistema da faculdade, em resposta à inadimplência da Azione no pagamento do aluguel dos prédios.

Ao MP-AM a Azione disse que resolveu se ‘afastar’ para que o órgão desse prosseguimento a intervenção judicial da faculdade após, segundo a Azione, investir cerca de R$ 1 milhão em menos de 60 dias de comando.

“Não obstante, em 25/04/2018, face ao inadimplemento por parte da Azione no que se refere ao pagamento do contrato de aluguel, o Conselho da Fucapi arbitrariamente bloqueou o acesso ao sistema datacenter que é responsável por emitir boletos, permitir aos alunos o acesso às suas notas, informações da graduação, acesso ao FIES, entre outros”, disse a empresa que entrou como terceira interessada nos autos do processo.

Inicialmente, os seguranças armados permitiram a entrada dos funcionários para buscarem os pertences pessoais, em seguida impediram a entrada de diretores e demais empregados, conforme denunciou a Azione no processo.

“Dessa forma, verifica-se mais que fundamental a nomeação de um interventor, visto que o Conselho da Fucapi age de maneira obscura e escusa”, avaliou a empresa nos autos.

Vale lembrar que as aulas já estavam irregulares ou paralisadas há quase um mês. Na segunda-feira (4), por meio de suas redes sociais, a instituição comunicou aos alunos que não teria dia letivo, sem justificar no aviso o motivo. Cinco interrupções tinham sido comunicadas pela Azione, desde o dia 28 de abril.

Nas redes sociais da Fucapi, após compartilharem o impedimento da entrada da empresa pelos seguranças armados, inúmeros alunos e colaboradores se queixaram da situação. “Prometeram mundos e fundos e não fizeram nada de impactante, nunca apresentaram esse aporte que dizem ter”, comentou Thiago Silva.

A Azione afirma que firmou contrato de locação de 15 prédios, bens e equipamentos e a gestão educacional da Fucapi desde o dia 16 de abril.

BO e Petição Fucapi