Defesa de Gustavo Sotero entra com pedido de Habeas Corpus na Justiça

O Habeas Corpus foi impetrado no Plantão Judicial do dia 25 de janeiro, mas não havia necessidade de urgência no caso. O pedido ainda está sob análise da Justiça

Girlene Medeiros

Manaus – A defesa do delegado de polícia Gustavo de Castro Sotero, 41, entrou, no último dia 25, com um pedido de habeas corpus no Plantão Judicial do 2º Grau da Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM). Os advogados do delegado apontam que a prisão preventiva é inadequada e que pode representar apenas o oferecimento de um culpado para a opinião pública. A Justiça analisa o pedido.

O delegado está preso, desde o dia 25 de novembro do ano passado, na Delegacia Geral de Polícia Civil, na zona oeste de Manaus, após atirar e matar o advogado Wilson de Lima Justo Filho, 35, no Porão do Alemão, também na zona oeste. A defesa do delegado apontou que o pedido é feito para “afastar a coação ilegal” a que ele está submetido e que não há necessidade de Gustavo permanecer preso. Para os advogados, a ordem pública será preservada mesmo com a soltura e o delegado poderá responder às acusações em liberdade.

O Habeas Corpus foi impetrado no Plantão Judicial do dia 25 de janeiro. (Foto: Reprodução)