Inmet prevê média acima de 35% no AM e forte calor até setembro

Último domingo foi o dia mais quente do mês, em Manaus, com sensação térmica de quase 40° C

Natasha Pinto/redacao@diarioam.com.br

 

Manaus – O Amazonas tem registrado altas temperaturas, na capital e no interior, neste mês. O último domingo (20) foi o dia mais quente em Manaus este mês, com 37°C e a sensação térmica de 39,7°C. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) as temperaturas e umidade do ar estão dentro da normalidade para o período e a média prevista para o mês é de 35,4°C.

Sem ‘Refresco’ População tem sentido os efeitos do forte calor nos últimos dias. Foto: Reinaldo Okita

A cidade de Manicoré (distante 330 quilômetros de Manaus) registrou, também no domingo (20), o dia mais quente deste mês no Estado, com 37,7°C e a sensação térmica de mais de 40°C. A explicação para o grande calor, ainda segundo o Inmet, é de que estamos em plena estação menos chuvosa e mais quente do ano, como foi divulgado no Prognóstico Climático de Inverno de 2017, no dia 20 de junho.

O calor intenso está previsto até o mês de setembro, quando começa a fase de transição das estações seca e chuvosa, nos meses de outubro e novembro, fazendo com que as temperaturas fiquem mais amenas.

Chuvas

Em Manaus, do dia primeiro até as 8h de ontem, o acumulado de chuva estava em 17,5 milímetros, estando abaixo do que é considerado normal para o mês de agosto na capital amazonense, que é entre 32 e 58 milímetros.  O Inmet diz que, com base nas previsões climáticas, as chuvas ainda vão entrar na normalidade até o fim deste mês.

Mesmo registrando altas temperaturas, o ano de 2017 ainda não pode ser considerado um dos mais “secos” da história. Os anos de 2015 e 2016 foram considerados pelo o Inmet como os mais secos da Amazônia, pois foram os anos em que estávamos sob o efeito do fenômeno climático El Niño, que dificulta a formação de nuvens que ocasionou a redução de chuvas na região.

Nível dos Rios

Uma das fortes consequências do calor e da falta de chuvas no Estado é a queda no nível dos rios. Em Manaus, o Rio Negro desceu, nos últimos dez dias, 1,42m, estando com a cota de 25,65m registrada, ontem, pelo Porto de Manaus. Desde o início da vazante, na primeira semana de junho, o Rio Negro já desceu 3,35m, de acordo com as medições do Porto de Manaus.

No dia 14 deste mês, a Defesa Civil do Estado informou que 11 municípios das calhas dos rios Juruá, Purus e Madeira, estão em ‘estado de atenção’ por significativo déficit de chuva e diminuição do volume de água nas regiões.