Interdição da pista do aeródromo de Itacoatiara é feito pela Anac

O pedido para a interdição imediata do aeródromo de Itacoatiara se deve devido ao estado de má conservação da pista de pouso e decolagem. Prefeito local diz que não foi comunicado

Girlene Medeiros

Manaus – A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) solicitou a interdição imediata do Aeródromo de Itacoatiara (a 176 quilômetros a leste de Manaus), devido ao estado de má conservação da pista de pouso e decolagem. O prefeito Antônio Peixoto (PT) informou que ainda não foi comunicado oficialmente da interdição.

A ordem da Anac é de “proibição de operações de pouso de aeronaves de asa fixa na pista 14-32”, conforme consta no Ofício nº 926/2018, da Gerência Técnica de Controle e Cadastro (GTCC), Gerência de Controle e Fiscalização de Infraestrutura Aeroportuária (GFIC).

O ofício foi assinado digitalmente, na última segunda-feira (3), pela Anac (Foto: Reinaldo Okita/08-06-2015)

Conforme o documento, a interdição foi solicitada pelo gestor do aeródromo, devido “ao mal estado de conservação da pista de pouso e decolagem”. O ofício foi assinado digitalmente, na última segunda-feira (3), pela Anac, para o IV Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta IV).

O prefeito de Itacoatiara informou não ter recebido comunicado sobre a solicitação de interdição, até o fechamento desta matéria.

De acordo com o prefeito, há uma comissão em Itacoatiara que acompanha o processo de reforma do aeródromo, desde o ano passado. “Amanhã de manhã (hoje), vou chamar a comissão para uma reunião e vou buscar conhecimento sobre o processo de reforma e essa solicitação de interdição”, disse Antônio, acrescentando que, em seguida, após decisão da equipe, a comissão irá entrar em contato com a Anac para programar os próximos passos relacionados à reforma.

De acordo com Peixoto, o aeródromo de Itacoatiara passou a ser de responsabilidade da prefeitura do município, no ano de 2012, ainda no primeiro mandato do prefeito.

O aeródromo de Itacoatiara tem papel importante como local de pouso substituto para os voos que chegam a Manaus, por meio do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, segundo frisou Peixoto. “Em um nevoeiro, nem Iranduba, nem Rio Preto da Eva poderiam receber voos, porque (os dois) estariam em nevoeiro também. Então, Itacoatiara é uma alternativa estratégica”, afirmou.

O prefeito acrescentou que as aeronaves que precisam desviar de Manaus para o pouso, atualmente, seguem para Rondônia ou Santarém, no Pará.