Mais de 500 casos de violações contra idosos são registrados no AM até junho

Manaus – Até junho deste ano, 524 casos de violações contra idosos foram registrados, no Amazonas, segundo dados do Sistema de Informações Governamentais do Amazonas (E-Siga). Discriminação, desrespeito, maus-tratos e exploração estiveram entre as violências registradas pelo Disque 100 e encaminhadas à Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas).

Segundo a delegada Ivone Azevedo, da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Idoso (Decci),  os vizinhos são os principais denunciantes de ocorrências em que os idosos são as vítimas, ao Disque 100, por não serem obrigados a se identificar.

“Como o vizinho, geralmente, é quem presencia a situação de vulnerabilidade ou negligência, mas não quer se indispor com a família, ele denuncia anonimamente ao Disque 100 para que nós possamos ir à residência e tomar as providências”, observa.

Azevedo explica que, recebida a denúncia, dois procedimentos podem ser adotados, dependendo de como a queixa chegou ao conhecimento das autoridades.

Nos crimes registrados pelo Disque 100, as visitas às casas dos idosos, para verificação da ocorrência, são realizadas pelos profissionais do Centro Integrado de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa (Cipdi). Já nas situações em que a denúncia é registrada diretamente na Decci, a confirmação ou não da irregularidade é feita pelos investigadores.

“Quando o Cipdi vai até a casa e observa evidências de maus-tratos, abandono, negligência ou qualquer outro crime previsto no Estatuto do Idoso, um relatório é produzido e encaminhado à delegacia. A partir daí, o investigador vai à casa e, às vezes, já notifica a família a prestar esclarecimentos junto à delegacia”, explica Azevedo, acrescentando que a  Delegacia Especializada em Crimes Contra o Idoso recebe entre seis e oito denúncias diárias de crimes contra este público.

Além dos familiares e da vítima, os vizinhos também são convocados a prestar informações complementares. Ouvidas as partes, o procedimento é remetido à Justiça.

Das 524 violações registradas, neste ano, a maioria ocorreu em janeiro – 110 casos. Junho (96), março (90), fevereiro (89), abril (83) e maio (56) seguem o ranking.

No total, 726 idosos do Amazonas foram atendidos no Cipdi, no primeiro semestre deste ano, conforme o E-Siga.

Casos de negligência, apropriação indébita e perturbação da tranquilidade são os casos de agravo contra idosos mais registrados, segundo Azevedo.

A negligência, caracterizada pela falta de cuidado com o idoso, é associada, na maioria das vezes, ao crime de apropriação indébita, de acordo com a delegada. Nesta prática, o familiar ou responsável por cuidar da vítima costuma utilizar o dinheiro da aposentadoria do idoso para sustentar a família.