Reajuste do Bolsa Família destina mais R$ 22,8 milhões ao AM até o final do ano

Só em Manaus, o programa atende 122.381 famílias (19,8% da população) e o incremento, com o reajuste, terá impacto de R$ 1,1 milhão ao mês. No Amazonas, foram pagos, em junho, R$ 87,4 milhões

Agência Brasil

Brasília – O valor do benefício médio do Bolsa Família será reajustado em 5,67% e, no Amazonas, o incremento representa uma suplementação prevista de R$ 3,8 milhões a mais, por mês, na folha de pagamento do programa. Até o fim do ano, o reajuste destinará RS 22,8 milhões a mais às famílias beneficiárias. Os valores passam a valer, a partir de julho.

Aproximadamente 37% da população do Estado recebe o benefício (Foto: Reinaldo Okita/Arquivo)

Em junho, o programa destinou R$ 87,4 milhões às mais de 397 mil famílias do Estado que recebem o benefício. No Amazonas, o valor médio do benefício pago é de R$ 220,38 e aproximadamente 37% da população é beneficiária do Bolsa Família. Na capital, Manaus, o programa atende 122.381 famílias (19,8%) e o incremento terá impacto de R$ 1,1 milhão ao mês. Até o fim do ano, serão mais R$ 6,6 milhões repassados aos beneficiários.

O reajuste nos valores pagos pelo programa foi anunciado no dia 30 de abril e o impacto estimado é de R$ 684 milhões, no País. Esse é o segundo aumento concedido durante a gestão do presidente Michel Temer. O primeiro foi anunciado em junho de 2016 e aumentou em 12,5% o valor do benefício médio.

Para o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, o reajuste superior à inflação mantém o poder de compra dos alimentos. “Concedemos o reajuste graças às medidas de gestão e governança nos programas sociais, principalmente com a revisão dos benefícios do INSS. Esses procedimentos nos permitiram focalizar melhor o programa e também zerar a fila”, destaca.

Para complementar a assistência prestada às famílias que vivem em situação e pobreza e extrema pobreza, o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) lançou o programa Futuro na Mão: Dando um Jeito na Vida Financeira. A iniciativa visa ministrar oficinas de Educação Financeira às beneficiárias do Bolsa Família, com o intuito de melhorar a gestão doméstica e garantir a autonomia das famílias. A expectativa é atender 200 mil mulheres até o ano que vem.