Seduc mantém concurso, mesmo após MPE e MPC pedirem suspensão

O secretário Lourenço Braga reafirmou, em coletiva, que a única prova que será reaplicada é para o cargo de Professor de Ensino Regular 20 horas, que tem nova data para realização

Édria Caroline

Manaus – A reaplicação da prova do concurso da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) para o cargo de Professor de Ensino Regular 20h foi adiada para o dia 2 de setembro. As provas para os demais cargos previstos no edital não serão reaplicadas, embora o Ministério Público de Contas (MPC) e do Ministério Público do Estado (MPE) tenham recomendado a suspensão do certame. As informações foram repassadas pelo secretário Lourenço Braga, durante coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira (19), na sede da Seduc.

Em coletiva de imprensa, o secretário Lourenço Braga afirmou que o concurso não será cancelado (Foto: Sandro Pereira)

A Seduc já havia anunciado o cancelamento da prova para Professor de Ensino Regular 20h e a reaplicação para o dia 22 deste mês, próximo domingo. Na ocasião, a secretaria afirmou que decidiu reaplicar a prova após constatar que um malote de provas em uma sala da Escola Estadual de Tempo Integral Karla Patrícia Barros de Azevedo, no Conjunto Cidadão 10, bairro Parque Riachuelo, zona oeste de Manaus, foi aberto antes do horário autorizado.

De acordo com Lourenço Braga, a secretaria decidiu adiar a data de reaplicação do exame após recomendação do MPE e MPC, que receberam denúncias de violação de malotes e de outras irregularidades ocorridas durante a realização das provas, aplicadas no dia 8 de julho.

Os dois órgão pediram esclarecimentos da Seduc sobre as denúncias e chegaram a recomendar a suspensão do concurso. “Hoje nós vamos enviar os esclarecimentos feitos pela empresa que realizou o concurso para que tudo seja investigado e devidamente esclarecido, pois isso também é de interesse nosso”, disse o secretário.

As provas serão aplicadas no mesmo dia em que as provas práticas para merendeiras serão realizadas, sendo que as provas para professor serão aplicadas no período da tarde, com hora e local a serem confirmados pelo Instituto Acesso, realizador do certame, dias antes da aplicação.

O secretário afirmou que as provas para os demais cargos não foram canceladas. “Foram 238 mil candidatos que realizaram a prova. Eu não posso ser injusto com os candidatos que realizaram uma boa prova e esperam a convocação. Estamos respeitando eles também. Por isso, a prova vai continuar o seu caminho natural”, diz o secretário.

Desde o dia da aplicação das provas, o concurso vem recebendo diversas críticas de inscritos. Candidatos chegaram a pedir a anulação das provas. As reclamações continuaram após a divulgação dos gabaritos, que não seguiram a lógica usada na maioria dos concursos, mas o Instituto Acesso afirmou que não houve “erro de gabarito”.

Sobre as reclamações de candidatos relacionadas a distância entre os endereços dos inscritos e os locais de prova, o secretário afirmou que não há lei que o obrigue a colocar o candidato para realizar a prova ao lado da casa onde mora.

Já sobre o episódio ocorrido em São Gabriel da Cachoeira, onde malotes de provas foram transportados em um mototáxi, Lourenço Braga alegou que era o único meio de transporte disponível. “Eram malotes de provas extras e não há nenhuma lei que obrigue os malotes serem transportados por um carro. Eles devem ser transportados com segurança e havia um policial militar, junto com o mototaxista, fazendo o transporte dos malotes”, argumentou.