Semmas retira espécies invasoras e erva-de-passarinho de árvores de avenida

Operação atingiu as 234 árvores existentes ao longo do canteiro central e dos passeios públicos das duas faixas da via. As podas são necessárias para evitar a morte das espécies infestadas

Da Redação/Redacao@diarioam.com.br

 

Manaus -O trabalho de manejo da arborização na Avenida Jornalista Umberto Calderaro Filho, na zona  centro-sul, foi concluído com êxito no sábado, atingindo toda a extensão da via. Foram feitas supressões de espécies invasoras, como  leucenas, e duas podas drásticas em árvores que apresentavam infestação por erva-de-passarinho. As podas drásticas são necessárias nesses casos para evitar a morte das espécies infestadas pela praga. Ao todo, a operação atingiu as 234 árvores existentes ao longo do canteiro central e dos passeios públicos das duas faixas da via.

Sem chuvas Trabalho é no verão pra evitar riscos do contato com a rede elétrica. Foto: Divulgacao/Semmas

O objetivo principal do trabalho foi o de corrigir as situações de conflito da arborização com a rede elétrica e equipamentos públicos como semáforos e placas de sinalização. O manejo foi realizado em dois sábados, com o apoio do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans), Secretaria Municipal de Limpeza Urbana  (Semulsp) e a Eletrobras Amazonas Energia.

O chefe da Divisão de Corte e Poda da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Wellington Auzier, explicou que as leucenas estavam crescendo no canteiro central de forma desordenada. Uma delas apresentava inclinação acentuada e risco de tombamento.

Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a leucena entrou na lista das 100 piores espécies invasoras do Mundo. “Elas (as leucenas) nasceram em espaços inadequados do canteiro central, não proporcionam sombra e acabam prejudicando as demais árvores existentes no local”, afirma Auzier. Uma das podas drásticas realizadas foi a de uma azeitoneira, na altura do supermercado Carrefour. A outra foi numa imbaubeira, nas proximidades da passagem de nível, no cruzamento com a Ephigênio Salles.

“Infelizmente, temos que fazer esse procedimento de limpeza de copa, com a poda drástica. Para os leigos, o aspecto da árvore assusta, mas é importante que se diga que a poda drástica ajudará a árvore a se salvar”, explica Auzier, lembrando o exemplo do trabalho feito nas mangueiras, das avenidas Castelo Branco e Carvalho Leal, na Cachoeirinha, zona Sul, que conseguiram se recompor após o serviço de manejo realizado e hoje estão vistosas.

O técnico explica que o  trabalho de manejo é feito nesse período de verão  por conta da dificuldade e dos riscos de fazer a poda de árvores em confronto com a rede elétrica no inverno.