Tubulação na Djalma Batista começa a ser instalada

Neste domingo (11), os cerca de 100 trabalhadores da secretaria iniciaram a instalação dos tubos de concreto. Os anteriores, feitos de ferro, segundo o vice-prefeito Marcos Rotta, estavam corroídos e havia o risco que a avenida afundasse

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A capacidade da nova rede drenagem que está sendo construída na Avenida Djalma Batista, zona centro-sul, vai dobrar, segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf). A obra, que foi iniciada na manhã da última sexta-feira (9), tem previsão de ser finalizada ainda nesta semana. Segundo o vice-prefeito e titular da pasta, Marcos Rotta, as chuvas e a descoberta de um muro subterrâneo atrasaram o cronograma.

Na manhã deste domingo (11), os cerca de 100 trabalhadores da secretaria iniciaram a instalação dos tubos de concreto. Os anteriores, feitos de ferro, segundo Rotta, estavam corroídos e havia o risco que a avenida afundasse.

“Encontramos uma parede de três metros e 40 cm de largura. Era algo que não prevíamos, ninguém sabia que tinha isso. Então tivemos que reduzir o ritmo da obra, evacuar os prédios e chamar a Defesa Civil. Fazer tudo com a maior cautela”, acrescentou o vice-prefeito.
São mais de dez retroescavadeiras usadas nos serviços, que fazem parte do cronograma de obras para a substituição da rede de drenagem de quase 40 anos que passa debaixo da avenida (Foto: Alexandre Fonseca/Seminf)

Apesar da destruição da muralha subterrânea, nenhum prédio comercial precisou ser condenado, pois as estruturas foram preservadas pelo órgão. O muro de concreto encontrado no meio do caminho, havia sido utilizado como contenção do igarapé que corre no local, segundo informou a Seminf.

Ao todo serão colocados 40 metros de uma nova tubulação. Esta, segundo o secretário-chefe da Casa Civil, Arthur Bisneto, será perene e não haverá a necessidade de outra intervenção futura.

“Estamos correndo contra o tempo e pedindo para São Pedro para não cair mais chuvas em Manaus. Além desse muro, a Seminf teve que redirecionar um dos braços do igarapé do Mindu que tinha até geladeira dentro”, disse Bisneto.

São mais de dez retroescavadeiras usadas nos serviços, que fazem parte do cronograma de obras para a substituição da rede de drenagem de quase 40 anos que passa debaixo da avenida.

Além da Djalma Batista, após a finalização, o posto de esquina com a Avenida Pará e uma rede de lanchonetes também sofrerão intervenção. A Djalma Batista, segundo Rotta é apenas a primeira etapa.

“É uma via, a Djalma Batista, muito importante da cidade. Difícil estimar o tempo (de obras), mas será no menor tempo possível. Torcemos para que não chova, porque uma hora de chuva é uma hora de obra parada”, disse o vice-prefeito informando ainda que os trabalhadores estão revezando e o serviço continua sendo executado 24h.

Todas as faixas de circulação exclusiva – Faixa Azul das avenidas Umberto Calderaro (Paraíba) e Mário Ypiranga Monteiro (Recife) estão liberadas para uso comum, além da Avenida Constantino Nery, que já estava liberada desde a sexta-feira, segundo informou a prefeitura.

No ano passado a prefeitura informou que foram implantados 21 mil metros de nova rede de drenagem nos bairros da cidade.

Trânsito

Placas de sinalização, com indicação dos desvios de itinerário, foram instaladas pelo Manaustrans na avenida Djalma Batista, no trecho interditado para obra de drenagem. A sinalização vertical tem contribuído para orientar o itinerário dos condutores que trafegam na área bloqueada nos dois sentidos da avenida.

A sinalização indica que, na esquina da Djalma com a Pará, o desvio à direita leva para as ruas Rio Jutaí e Madeira, que dão acesso à rua João Valério e, assim, prosseguir na Djalma Batista. Ainda na mesma esquina, foi colocada uma placa na rua Pará, que indica “direita livre com atenção”, informando que os condutores que estão na faixa da direita podem seguir para a Djalma, em direção ao Centro, sem parada no semáforo.

Na esquina da João Valério com Djalma, também foi colocada placa de “direita livre”. A sinalização facilita a circulação de quem trafega na área em direção ao bairro. Há também a informação de “desvio” para que os condutores que trafegam em direção ao Centro, sigam para a avenida Constantino Nery.