União avalia medida de auxílio a imigrantes, diz ministro da Justiça

O ministro Torquato Jardim informou que o Governo Federal vem analisando a questão humanitária que envolve os refugiados, mas que deve haver equilíbrio entre o permanente e o transitório

O ministro visitou as instalações do Centro de Acolhimento aos Imigrantes no bairro do Coroado, zona leste (Foto: Valdo Leão/ Secom)

 

Manaus – O ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim, esteve em Manaus, no último sábado (8),  em breve visita ao Centro de Acolhimento aos Imigrantes no bairro do Coroado, zona leste de Manaus. Jardim elogiou a forma como o Amazonas tem prestado auxílio aos indígenas da etnia Warao, que fugiram da Venezuela e buscaram abrigo no Amazonas. O ministro disse ainda que a União avalia  medidas que venham solucionar a situação.

“O que vi aqui (Manaus) é excepcional. As instalações, o redário, a qualidade da comida, a limpeza das instalações, tanto no coletivo quanto no quarto das lideranças. O Governo do Amazonas até manteve o traço cultural fundamental que é a hierarquia”, disse Jardim.

A Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) informou que o Governo do Amazonas vem investindo a quantia de R$ 2,7 milhões na assistência aos imigrantes, além de gastar R$ 900 mil só na alimentação dos refugiados. Os imigrantes também recebem auxílio com saúde, educação e assistência social. O amparo conta com uma parceria entre Governo do Estado e Prefeitura de Manaus.

Medidas

O ministro Torquato Jardim informou que o Governo Federal ainda avalia medidas que venham solucionar a situação que ainda é muito crítica. Ele disse que o Governo vem analisando a questão humanitária que envolve os refugiados, mas que deve haver equilíbrio entre o permanente e o transitório.

“Está sendo feito tudo o que é possível, mas existem vários desafios. Faremos tudo o que for necessário para abrigar os imigrantes, mas queremos que isso seja transitório”, afirmou o ministro.

Atualmente, 497 indígenas venezuelanos estão alojados no Centro de Acolhimento aos Imigrantes, entre eles Evelio Mariano, que fugiu da Venezuela devido à crise política e social de seu país natal. “Aqui temos teto, temos médico, temos comida e escolas para os nossos filhos. O que conseguimos aqui, não tivemos na Venezuela. Quero morar aqui com a minha família por muito tempo”, declarou Marian

Força Nacional

O ministro garantiu, ainda, a permanência da Força Nacional no Amazonas nas proximidades dos presídios. A informação foi confirmada em encontro com o com o governador em exercício David Almeida e a cúpula da Segurança Pública do Estado – o secretário de Segurança, Sérgio Fontes; o comandante-geral da PM, David Brandão; e o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Fernando Paiva Pires Júnior.

A atuação da Força Nacional é de policiamento ostensivo nas proximidades dos presídios do Amazonas.