Violência contra bebê mobiliza ações de solidariedade em Manaus

Por Isabelle Marques 


Manaus – O crime contra o menino de um ano e quatro meses, que foi estuprado e torturado pelo namorado da mãe, causou comoção e mobilizou diferentes ações de apoio e solidariedade para a criança. Os movimentos contam com ato público pelas crianças vítimas de violência sexual, roda de orações e arrecadação de donativos.

Nesta sexta-feira (16), o ato pelas crianças vítimas de violência sexual iniciará às 17h, na Bola do Produtor, no Jorge Teixeira, zona leste. Segundo uma das organizadoras, Katiussia Souza, será uma concentração de várias frentes que discutem políticas de proteção de crianças e adolescentes em Manaus. “Vai ser uma reação pública, para que todos vejam que não nos calamos diante desses casos”, afirmou. “Para nós, que atuamos com crianças, foi um choque, foi contra tudo que trabalhamos”.

Já a roda de oração em solidariedade ao bebê está marcada para segunda-feira (20), das 16h às 21h, em frente ao anfiteatro da Ponta Negra. Responsável pelo ato, a microempresária Dainy Lisboa, 21, ressaltou que o encontro vai pedir paz para todas as crianças de Manaus e, por isso, as pessoas interessadas em participar devem ir de roupa branca.

“Foi um crime que abalou muito e a violência está demais na nossa cidade. Acredito que, hoje, o único lado que podemos apelar é para Deus, então, vamos orar pela paz”, comentou Dainy. “Devemos dizer não à violência, principalmente contra as nossas crianças, que estão sofrendo, pois nenhuma deve passar por isso”.

Para a ocasião, a organizadora também pede por doações para o bebê. “Recebemos a informação de que, tanto a criança quanto a irmã dele, de 4 anos, precisam de ajuda, porque a mãe está presa e está pesado para a família”, disse. “Depois que divulgamos a roda de oração no Facebook, a madrinha dele entrou em contato comigo, agradeceu e disse que toda doação é muito bem-vinda”.

Também sensibilizada com o crime de estupro e tortura contra a criança, a bacharel em Direito Keyla Costa, 29, também busca por doações para o bebê. “É muito fácil dizer nas redes sociais que o homem é um monstro, difícil é ver a parte que está precisando”, disse. “Se ele é monstro ou não, isso é com a justiça. Eu, como mãe, não posso ficar sem ajudar essa criança”.

Conforme Keyla, o grupo espera arrecadar itens como leite, fraldas, roupas e brinquedos. As pessoas interessadas em fazer as doações podem entrar em contato por meio do telefone 99397-3378.

Recuperação

Internado desde domingo (12), no Pronto-Socorro da Criança Zona Sul, o bebê está com quadro estável e com acompanhamento de médicos especialistas da unidade, conforme informações da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam).

Nesta manhã, o conselheiro tutelar que acompanha o caso, Marcos Lima, disse que médicos informaram que o bebê não precisará passar por amputação. Ele ainda destacou que o Conselho Tutelar realiza uma avaliação do núcleo familiar interno e extenso da criança.

“A nossa intenção é que o bebê não tenha contato direto ou indireto com algum familiar que possa realizar uma agressão. O pai e o avô estão oferecendo apoio à criança no hospital e já apresentaram interesse em ficar com ela, porém, estamos realizando uma avaliação e levantamento com visitas e entrevistas para apresentar um resultado”, disse Lima. “Caso não tenha um familiar para ficar com a criança, ela deve ser encaminhada ao acolhimento”.

O conselheiro tutelar ainda acrescenta que a comoção e procura para ajudar a criança tem sido grande. “Até pessoas de outros Estados, como São Paulo, já ligaram para realizar doações. Pelo que sabemos, a família não passa por necessidades, mas ressalto que outros acolhimentos como o Lar Janell Doyle e Coração do Pai também precisam sempre de doações”, completou.