Alta da cesta básica é de 4,97% em Manaus, com a banana como item mais caro

Manaus – O preço da cesta básica de Manaus fechou no mês de maio em R$ 386,08 e teve uma alta de 0,62% comparada com o mês anterior. No ano, a alta da cesta é de 4,97%, puxado pela banana que só nesses cinco meses de 2016, acumula um aumento de 51,81%. Com isso, Manaus passa a ocupar a 13ª colocação no ranking das cestas mais caras, entre as 27 capitais do País, segundo pesquisa divulgada na manhã desta segunda-feira (6), pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

“Depois de alta nos meses de janeiro e fevereiro, estamos observando que a cesta básica está tendo ligeiros aumentos e outra vez, temos visto que a banana volta a subir de preço”, avaliou o economista e supervisor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Inaldo Seixas.

Neste ano, a cesta básica de Manaus já registra um aumento de 4,97%, acima da inflação, que está em 3,25% segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Dos 12 itens analisados pelo Dieese, os principais produtos que influenciaram esse aumento foi a banana, com 6,02% em maio, o pão foi o segundo produto, com um reajuste de 3,45%, no mês, em seguida, foi a farinha com 2,99%. “Neste mês, cinco produtos tiveram uma subida e seis, uma queda e esteve inalterado”, disse Inaldo.

Dentre os itens que tiveram uma queda no preço, em maio, destacam-se: a manteiga (-6,89%), que foi o produto que apresentou maior queda no mês seguido da carne (-2,78%), do óleo (-1,17%), do café (-0,91%), do arroz (-0,38%) e o tomate (-0,20%). O açúcar não apresentou variação e manteve seu preço médio inalterado em relação ao mês anterior.

“Quando o produto fica escasso no mercado local ou na lavoura, ele sobe, como se vê com o tomate”, disse o feirante da Manaus Moderna Sérgio Reis, acrescentando que nesta e na semana que vem, o tomate já vai ter um pequeno reajuste, porque vai faltar no mercado. “Como a nossa logística é muito demorada, de 10 a 12 dias para o produto, que está vindo da Bahia, chegar a Manaus, como o tomate, o mercado sofre um pouco com isso e os preços ficam instáveis”.

Cesta x salário mínimo

Comparativamente com abril de 2016 um trabalhador que ganha um salário mínimo em Manaus comprometeu, em maio de 2016, 47,69 % de seu rendimento líquido – R$ 809,60 após o desconto de 8% referente à contribuição previdenciária – com a aquisição dos alimentos básicos.

Em abril o comprometimento foi de 47,40% de seu rendimento líquido. Este mesmo trabalhador precisou trabalhar 96 horas e 31 minutos para comprar a cesta básica em maio. Em abril a jornada exigida era de 95 horas e 56 minutos. Em maio de 2015, a jornada exigida foi de 95 horas e 59 minutos.

A alimentação básica custa R$ 1.158,24

O custo da cesta básica para o sustento de uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças, sendo que estas consomem o equivalente a um adulto) foi de R$ 1.158,24 durante o mês de maio. Esse valor equivale a aproximadamente 1,3 vezes o salário mínimo bruto, fixado pelo governo federal em R$ 880,00. No mês anterior, o custo da cesta básica para esta mesma família era maior e foi de R$ 1.151,16.

Salário mínimo necessário de R$ 3.777,93

Com base na cesta mais cara, que, em maio, foi a de São Paulo, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Dieese estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em maio de 2016, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.777,93, ou 4,29 vezes mais do que o mínimo de R$ 880,00. Em abril, o mínimo necessário correspondeu a R$ 3.716,77, ou 4,22 vezes o piso vigente.