Bens dos candidatos do AM somam R$ 952 milhões

De Álysson Castro

Manaus – Os bens dos candidatos que disputam a eleição deste ano no Amazonas totalizam R$ 952 milhões, segundo declarações apresentadas ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Casas, terrenos e veículos são os bens mais citados pelos 9,4 mil candidatos no Estado.

O bem com maior valor é o do candidato a vereador em Maraã Professor Jardel (PSD) que, aparentemente, cometeu um equívoco ao declarar uma casa de R$ 100 milhões.

Apenas as 3.261 casas declaradas pelos candidatos totalizam  R$ 398 milhões. Chama atenção o valor de uma casa de R$ 4 milhões em conjunto habitacional em Manaus, declarada pelo candidato a vice-prefeito em Benjamin Constant Dr. Sebastião (PMDB).

Em Tonantins, o candidato a vereador Victor Reis (PSDB) declarou  uma casa de 28 metros quadrados, de R$ 2 mil.

Ainda segundo dados do site do TSE, os candidatos do Amazonas declararam 2.766 veículos automotivos que somam R$ 64 milhões. O candidato a vereador de Itacoatiara Douglas Galvão (PT) tem um Ford Fiesta  de R$ 1,7 milhão, em mais um possível equívoco na declaração.

Os 1.936 terrenos (3º tipo de bem mais mencionado) somam R$ 158 milhões. Em Coari, o candidato a  vereador Alzenor ‘Cem Grama’ (PRTB) declarou um terreno medindo 5 quilômetros por 10 quilômetros, no Lago do Mamiá, por R$ 10 milhões.
Entre as curiosidades encontradas nas declarações de bens, está a participação societária do candidato a vereador em Careiro Jilnei Laurentino (PPS), de R$ 0,10, na empresa Laurentino Transportes de Cargas Ltda. Em  Iranduba, o candidato a prefeito Francisco Gomes da Silva, o ‘Chico Doido’ (DEM) é dono de um avião  ultraleve de R$ 200 mil.

Ao ingressar com pedido de registro de candidatura na Justiça Eleitoral, o candidato deve apresentar a declaração atual dos bens assinados pelo requerente, como determina o artigo 27 da Resolução-TSE nº 23.455/2015.

No início de agosto, o TSE publicou um acórdão em que determina que nenhum candidato é obrigado a atualizar os preços de seus bens. O caso julgado envolvia a então candidata ao governo do Maranhão Roseana Sarney, em 2006. Na ocasião, ela declarou à Justiça Eleitoral uma lista de 16 bens que compunham seu patrimônio, mas apenas informou o valor de um deles. Todos os outros 15 – incluindo ações e cotas de empresa, um Ford EcoSport e imóveis em Brasília, Rio, São Luís e em uma ilha próximo à capital maranhense – foram registrados como valor de R$ 0.