‘Não luto para ser famosa’, diz Ketlen Vieira, após estreia no UFC

Thiago Fernando


Manaus – Aos 25 anos, Ketlen Vieira vive um sonho. No último final de semana, a lutadora amazonense estreou no UFC com vitória por decisão dos juízes contra a americana Kelly Faszholz. Agora, ela tem sete vitórias em seu cartel e já mira voos mais altos.

Após licença médica de apenas sete dias, a representante da academia Nova União já mira a volta aos treinamentos, por saber que precisa aprimorar a trocação para os próximos combates.

“No UFC, estão os melhores lutadores do mundo. Acho que ainda tenho que evoluir bastante. Tenho pouco tempo de MMA e avalio a minha evolução como boa, mas preciso evoluir mais em pé. Venho da luta agarrada, então, tenho que trabalhar mais o meu boxe e muay-thai. Tenho que procurar ser uma atleta mais completa”, disse a atleta.

Ketlen admite que teve problema para bater o peso. “Estava perdendo o peso, tranquila. Faltando dois dias, tive dificuldades porque o pessoal da Agencia Norte-Americana de Antidoping (Usada) foi fazer o exame comigo e tive que tomar quase um litro de água. Então, subi dois quilos e tive que dar uma sofrida, no final. Isso me deu mais vontade de ir lá e ganhar. Bati 61,7 kg e, no dia da luta, estava com 68. Estava me sentindo bem e forte”, explicou Ketlen.

A amazonense fez o ‘camp’, para a última luta, no Rio de Janeiro. Para ela, foi a melhor preparação de carreira, devido à grande qualidade dos profissionais que tinha à disposição. Por este motivo, ela já decidiu que se mudará para o Rio.
“Provavelmente, só vou voltar a lutar no ano que vem. Então, até o final deste ano, treinarei aqui, em Manaus, e, no ano que vem, vou treinar no Rio. Tem excelentes profissionais na preparação física e também vários meninos daqui. Na Nova União, a gente é uma família e todos estavam me apoiando”, disse a atleta.

Não abandonar as origens

Multicampeã de jiu-jítsu e judô, Ketlen avisa que não deixará de treinar e aperfeiçoar o jogo de chão. “Desde criança, procurei fazer judô, jiu-jítsu e luta olímpica. Estou muito feliz, isso é o meu sonho”, disse a lutadora, que foi surpreendida com o carinho que recebeu dos seus conterrâneos.

“Não esperava essa recepção. Fiquei bastante feliz. Isso me deu mais vontade e apoio por saber que tem muita gente na minha terra e no Brasil torcendo. Fiquei muito feliz, porque não luto para ser famosa, luto porque é meu sonho desde criança. Vou sempre tentar manter o pé no chão. Só queria dar alegria para o meu povo e vou me esforçar para continuar conseguindo isso”, disse.