Pesquisa mostra corrida eleitoral em Manaus

Manaus – Se a eleição para prefeito de Manaus fosse hoje, o prefeito Arthur Neto (PSDB) teria 40% dos votos válidos, contra 21,4% de Marcelo Ramos (PR), 7,9% de Serafim Corrêa (PSB), 7,8% de Silas Câmara (PRB), 5,1% de José Ricardo (PT),  5% de Henrique Oliveira (SDD), 3,7% de Hissa Abrahão (PDT), 1,2% de Luiz Castro (Rede) e 0,5% de Queiroz (PSOL). O percentual de indecisos e que não sabem em quem votar é de 7,4%, índice que será diluído entre os candidatos no dia da eleição.

Os números são  do Instituto DIÁRIO de Pesuisa (IDP), da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO, registrada na Justiça Eleitoral sob o número AM-08566/2016 e realizada nos dias 16 a 18 de setembro, envolvendo diversos bairros localizados nas 13 zonas eleitorais do município. Foram entrevistados 800 eleitores.

O estudo foi conduzido de modo que  a margem de erro máxima seja de 3,5 pontos percentuais  para mais ou para menos, com um intervalo de confiança a 95%,  o  que garante que se o levantamento  fosse feito 100 vezes, repetindo-se as mesmas condições, então em, aproximadamente, 95 destas vezes as proporções obtidas em cada resposta, com uma variação de 3,5% para mais ou para menos, estariam estimando o verdadeiro pensamento de todos os eleitores de Manaus.

Na pesquisa estimulada, quando os entrevistadores mostram um disco com o nome dos candidatos,  Arthur obteve 37,9% dos votos, contra 20,3% de Marcelo, 7,5% de Serafim, 7,4% de Silas, 4,9% de José Ricardo, 4,8% de Henrique Oliveira, 1,1% de Castro e 0,5% de Queiroz. E 5,3% votariam em branco ou anulariam os votos e 7% estão indecisos ou não sabem em quem votariam.

A pesquisa também perguntou aos eleitores em quem eles não votariam de maneira nenhuma para prefeito de Manaus. 25,9% responderam Arthur,  22,6% Serafim, 9,3% Henrique, 9% Silas, 4,9% Marcelo, 4% Ricardo, 2,5% Queiroz e 1% Castro. Ainda, 9,6% não rejeitariam nenhum ou rejeitariam todos os candidatos e 7,8% não  responderam.

Segundo turno

Num segundo turno, de acordo com a pesquisa, Arthur teria 48% dos votos contra 41,3% de Marcelo. Considerando a margem de erro, de 3,5 pontos percentuais, o prefeito teria entre 44,5% e 51,5%. Marcelo teria entre  37,8% e 44,8%.  Seriam 8,8% de brancos e nulos e 2% de indecisos.

Em outras simulações de segundo turno, a pesquisa aponta: Arthur 53,8% contra 26,9% de Henrique; Arthur 51,5% contra 28,1% de Hissa; Arthur 53,4% contra 26,5% de Serafim;  Arthur 52,8% contra 25,1% de Silas; e Arthur 53,4% contra 25,4% de Ricardo.

O coordenador da pesquisa, professor doutor Edmilson de Araujo Silva, matemático e consultor estatístico, afirmou que os números representam o cenário do momento, do final de uma possível primeira etapa da eleição, caso ocorra um segundo turno.  “Muita gente me  pergunta quem vai ganhar. Muitas das pessoas que acompanham as pesquisas já têm o voto decidido, principalmente neste momento, próximo do final do pleito”, disse.

Primeiro turno

O primeiro turno das Eleições 2016 será no dia 2 de outubro, e o segundo turno no dia 30 de outubro. Os eleitores vão escolher um prefeito e um vice-prefeito, assim como os vereadores das Câmaras Legislativas Municipais.

O segundo turno é realizado apenas nos municípios com mais de 200 mil eleitores em que nenhum dos candidatos consiga a maioria absoluta, ou seja 50% dos votos mais um. Os dois candidatos mais votados no primeiro turno disputam o segundo turno entre si.

Perfil do eleitorado

Em Manaus, o grau de instrução dos eleitores deste ano está mais alto que das eleições de 2012, segundo dados do site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nos últimos quatro anos, o percentual de eleitores com nível Superior completo saltou de 2% do total de eleitores para 8,3% e votantes com Ensino Médio completo, que representavam 12% dos eleitores em maio de 2012, passaram para 25,9%, em maio deste ano.

Houve  queda no percentual de eleitores que sabem apenas ler e escrever, que em 2012 totalizavam 14%, e, neste ano, ficaram em 9%, em maio deste ano. Também foi verificada redução no índice de votantes que têm  apenas o Ensino Fundamental incompleto. Há quatro anos, eleitores com este grau de instrução representavam 35,2% dos votantes e, em maio deste ano, totalizavam 24,5%.

Confira: