Abril tem menor perda de vagas de emprego desde 2015

Resultado é a diferença de 10,2 mil demissões contra 10 mil contratações no mês, sendo a indústria de transformação o setor com maior números de desligamentos segundo o Caged

Da Redação/ redacao@diarioam.com.br

Manaus- Influenciado pela atividade industrial, o Amazonas registrou queda de 233 postos em abril. O resultado é a diferença das 10,2 mil demissões contra as 10 mil contratações, no mês, registradas em todos os setores econômicos, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Ainda assim, o resultado negativo é o melhor abril dos útimos cinco anos. Em 2015, no mesmo mês, foram 3,8 mil demissões no Estado, seguidas de 2 mil vagas fechadas em 2016 e de 260 postos a menos em abril de 2017.

A indústria de transformãção, isoladamente, teve perde de 776 postos. Contratou 2,3 mil, mas desligou 3,1 mil. O presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, atribui o desempenho negativo nos empregos às incertezas dos empresários ante o momento político. “Estamos perto das eleições e o clima de incerteza sobre quem irá comandar o País é muito grande. Há preocupação quanto às inseguranças jurídicas e políticas. É preciso que as regras do jogo não mudem”, diz o presidente.

Périco compara que enquanto o setor industrial registra bons números de faturamento, o “lado social”, das contratações, freou. “As vendas de TVs foram aquecidas muito mais por conta da mudança do sinal analógico. A economia não correspondeu às expectativas”. Sobre os próximos meses, o executivo prevê que a situação ainda seja de observação quanto ao cenário político e aos reflexos econômicos, mas frisa que o empresariado deve manter o otimismo de que os rumos, em algum momento, poderão mudar.

Além da indústria, o comércio fechou abril negativo em 18 postos, porém no ambiente da estabilidade (queda de 0,02%). Os demais segmentos avaliados apresentaram leve alta nas contratações com pouca alteração na comparação de abril sobre fevereiro: construção civil (0,53%), serviços (0,21%), administração pública (0,09%), agropecuária 91,38%), extrativa mineral (1,61%) e serviços industriais de utilidade pública (0,58%).

Em nível nacional, os quatro primeiros meses do ano tiveram saldo de 336,8 mil empregos criados. O mês de abril fechou com 115,8 mil postos de trabalho a mais do que em março. Esse é o melhor resultado para abril desde 2013, quando foram criadas 196,9 mil vagas. Ao longo de abril foram registradas 1,3 milhão de admissões e 1,1 milhão de desligamentos. O resultado foi comemorado pelo presidente Michel Temer, durante evento em São Paulo.