Clientes podem negociar débitos com a Amazonas Energia

A distribuidora está concedendo descontos e parcelamentos presencialmente ou pelo telefone para sanar débitos dos clientes no Estado em quase dois meses de campanha de quitação de débitos

Beatriz Gomes / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Eletrobras Distribuição Amazonas estima arrecadar R$ 150 milhões em débitos no Feirão de Negociação que vai até 30 de junho no Estado. Somente com o pagamento à vista, a distribuidora tem projeção de receber R$ 17 milhões.

Desde o dia 2 de maio estão sendo oferecidos descontos e parcelamentos para clientes residenciais, comerciais, industriais e rurais. As negociações podem ser feitas por meio da central de atendimento 0800 701 3001, que oferece as mesmas condições do atendimento presencial, ou em qualquer um dos cinco pontos de atendimentos na capital ou nas demais agências no interior do Estado.

A negociação dá a oportunidade ao cliente de pagar as dívidas e evita que tenha o fornecimento de energia cortado além de outras ações de cobrança. Em quase dois meses de campanha no ano passado, mais de 7 mil clientes de todo o Estado participaram.

Entre os pontos de atendimento estão o PAC Compensa, na Avenida. Brasil, 1325, das 8h às 16h, na unidade 10 de Julho, 269, Centro, das 7h30 às 16h, no PAC Sumaúma no Sumaúma Park Shopping, Av. Noel Nutels, 1762, na Cidade Nova, das 8h às 16h, no PAC Parque 10 (Parque 10 Mall) Av. Tancredo Neves, 654, Parque 10 de Novembro, das 8h às 17h, no PAC São José no UAI Shopping, Av. Cosme Ferreira, 4605, São José, das 8h às 16h. Escritório central, Sede (Protocolo Geral), na Av. 7 de Setembro, 2414, Cachoeirinha, das 7h30 às 16h. Eletrificação Rural, na Av. Ephigênio Salles, 310, Parque 10 de Novembro, das 7h30 às 12h e 13h às 16h.

Prejuízo

Em 2017, a distribuidora contabilizou uma perda de R$ 2,3 bilhões, impactando nos prejuízos da holding Eletrobras, responsável pelas distribuidoras do Norte e Nordeste. No quarto trimestre do ano passado, o débito da Eletrobras Distribuição Amazonas foi de R$ 676 milhões.

As seis distribuidoras que atuam nos Estados do Acre, Rondônia, Roraima, Piauí e Alagoas, além do Amazonas serão privatizadas e foram avaliadas em R$ 10,2 bilhões, mas possuem dívidas líquidas de R$ 20,8 bilhões, e por isso serão vendidas pelo valor simbólico de R$ 50 mil, informou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES).

Vencerá o leilão quem oferecer o maior deságio em relação ao adicional tarifário transitório, concedido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nos reajustes realizados entre agosto e novembro deste ano.

Os novos investidores serão obrigados a assumir compromissos de investimentos no valor de R$ 7,8 bilhões nessas empresas, dos quais 30% serão depositados no momento da aquisição das companhias.

As distribuidoras pertenciam a governos estaduais, mas foram assumidas pela Eletrobras no fim da década de 1990. A intenção era privatizá-las em seguida, mas elas ficaram quase 20 anos nas mãos da Eletrobras. Nesse período, elas geraram prejuízo de mais de R$ 20 bilhões.

Ainda há um impasse sobre quem é o responsável pelo rombo, a Eletrobras ou o governo federal.