Com preço em queda, gasolina é vendida a até R$ 3,85, em Manaus

Desde o novembro registrando seguidas quedas nos preços, o valor do combustível na bomba ainda registra valores de até R$ 4,19, quando o pagamento ocorre com cartões de crédito ou débito

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Postos de gasolina de Manaus chegaram a vender a gasolina comum a R$ 3,85, neste domingo (16). Desde o novembro registrando seguidas quedas nos preços, o valor do combustível na bomba ainda registra valores de até R$ 4,19, quando o pagamento ocorre com cartões de crédito ou débito.

Em um posto de combustíveis na Avenida Humaitá com a Carvalho Leal, no bairro da Cachoeirinha, na zona centro-sul de Manaus, a REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) encontrou gasolina comum, comercializada somente com pagamento em espécie, ao valor de R$ 3,85.

Posto no bairro Cachoeirinha vendia litro da gasolina a R$ 3,85, neste domingo (Foto: Gisele Rodrigues/Divulgação)

O comerciante Wellington Pinto, 55, foi um dos que aproveitou o valor para abastecer o veículo. Ele disse, no entanto, que não aproveita a “promoção” de todos os postos. Segundo o comerciante, o carro já foi parar na oficina depois que ele abasteceu em um estabelecimento desconhecido.

“Eu prefiro ir nos postos que já conheço, porque já peguei promoção que a gasolina não era boa. (Isso) acabou com o meu carro e tive que fazer manutenção. Agora vou no que confiou mais”, disse.

A queda de preço registrada neste domingo não tem qualquer explicação, segundo informou um dos frentistas de outro posto da Avenida Carvalho Leal. “O dono manda e não diz nada não. A gente só muda quantas vezes ele mandar. Fazer o quê? Não sei explicar também porque tem bomba que é mais barata, acho que é porque o pagamento é no cartão e cobram aquelas taxas”, disse o funcionário, que preferiu não se identificar.

O comerciante Wellington Pinto acredita que, com a mudança de governo, o preço da gasolina deve continuar em queda. “Acontece que já está baixando o preço tem umas semanas. (Os preços) estão mais competitivos nos postos. Acredito que, com a entrada do Bolsonaro, deva cair mais. Quem sabe R$ 3,50. É absurdo a gente pagar um preço mais caro que o petróleo que o Brasil exporta”, disse o comerciante.

Em outras zonas da cidade, a maioria dos postos consultados praticavam preços acima de R$ 3,94. Em todos os nove postos consultados, o valor apresentava diferença de até 30 centavos nos pagamentos com dinheiro e com cartão.

Negociações com distribuidora

“Esse preço de R$ 3,80 é uma grande queima, mas que vai acabar a qualquer momento”. É o que afirma o presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis, Geraldo Dantas. Para ele, por causa da baixa venda de gasolina no período de férias, postos e distribuidores têm negociado a redução dos lucros para aumentar as vendas desta época do ano.

O valor, no entanto, deve sofrer mudanças em razão dos recentes aumentos dos preços pela Petrobrás. Segundo ele, somente em dezembro cinco aumentos foram anunciados pela companhia.

Quanto à diferença no preço praticado no cartão de crédito e no dinheiro, ele disse que a estratégia também tem sido usada para atrair a clientela. “Existe isso porque o governo liberou essa diferença no pagamento que dá a possibilidade de um desconto no pagamento em dinheiro. Os donos de postos tiram o custo financeiro da operadora do cartão, mas temos também postos vendendo gasolina no dinheiro a R$3,90 (ou) 4,10”, explicou.

Sobre as críticas de ‘batismo de combustível’, Dantas repassa parte da responsabilidade ao motorista, que segundo ele, “na maioria das vezes não está com a manutenção em dia e anda constantemente na reserva”. “Manaus não é atestada pelo órgão de fiscalização como uma cidade com esse tipo de problema. Tem boa referência, não tem histórico de gasolina adulterada”, garantiu o presidente.