Diesel eleva preço do frete e do comércio, em Manaus

Aumento dos combustíveis repercute no frete e, por sua vez, encarece produtos manufaturados como calçados, vestuário e também alimentos, segundo entidades do varejo

Beatriz Gomes

Manaus – As altas consecutivas no preço dos combustíveis impactam diretamente no bolso do consumidor de Manaus, não só na hora de abastecer o veículo, mas também no valor final dos produtos do comércio. Com o aumento do diesel em 15,9%, em um ano, o frete já foi reajustado em 13% e deve ser corrigido novamente nos próximos dias, segundo os operadores logísticos.

O aumento do diesel é resultado da nova política de preços da Petrobras, desde julho de 2017, que repassa para os combustíveis a imediata variação da cotação do petróleo no mercado internacional.

O setor de transportes costuma fazer dois reajustes ao longo do ano, mas em 2018 já acumula 13% de aumento. (Foto: Eraldo Lopes)

Como o combustível responde por 1/3 do custo do transporte, as altas impactam diretamente no setor de logística, de acordo com o presidente da Federação das Empresas de Logística, Transporte e Agenciamento de Cargas da Amazônia (Fetramaz), Irani Bertolini. “Se o diesel aumentar 10% temos que aumentar 3,33%, é um peso muito forte em cima do transporte e repassar para o cliente é desgastante, mas temos que repassar”, disse.

Segundo Bertolini, antes da nova política da Petrobras, os aumentos aconteciam a cada dois meses, mas atualmente a variação é diária, tanto para cima quanto para baixo. “Não dá para chegar na frente do cliente todo dia com um preço diferente, então a gente espera acumular até 4% de alta para repassar”, afirma.

O setor reajustava anualmente o frete. Desde o ano passado, os reajustes passaram a acontecer no início e no meio do ano. Em 2018, além dos dois reajustes anuais, o setor também vai corrigir quando houver acumulo de 4%. “Vamos repassar porque nossa margem de lucro não dá 4%. Esse ano já reajustamos por volta de 13% e já estamos precisando aumentar por causa dos últimos dias”, disse Bertolini.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumula em 12 meses, até abril, 2,76%. Na composição da inflação oficial, o item transporte representa 20,54%.

O diesel prevalece na maior parte do modal utilizado em Manaus que é o rodofluvial. “Nossa região é carente de logística, por isso o valor do frete impacta muito no valor dos produtos”, afirma o presidente da Associação Comercial do Amazonas (ACA), Ataliba David Antonio Filho. Ele destacou que o aumento do combustível pode acarretar no desaquecimento das compras em um momento que o mercado parecia estar evoluindo. “Vai influenciar nas próprias compras de itens como vestuários, calçados e outros manufaturados, assim como de gêneros alimentícios”, disse ressaltando ainda que a greve dos caminhoneiros, que acontece em várias regiões do País, também acarretará no atraso de mercadorias, o que também gera aumento de preços.

Fatores externos e internos

Desde julho do ano passado, a Petrobras adotou uma nova política de preços que atrela ao valor do barril de petróleo o preço dos combustíveis e dois fatores influenciaram os aumentos consecutivos, explica o vice-presidente da Federação do Comércio do Amazonas (Fecomércio), Aderson Frota. “A alta no preço do barril do petróleo e a recuperação da economia americana ocasionaram a escalada de preços e isso tem revoltado a população, porque vai mexer com a inflação e os preços das mercadorias punindo os consumidores que não tem muito a ver com os fatores”, analisa.

Novo aumento no preço dos combustíveis deve prejudicar comércio em Manaus

Novo aumento no preço dos combustíveis deve prejudicar comércio em Manaus

Posted by D24am on Wednesday, May 23, 2018