Dólar pressiona alta de massas e pão; reajuste pode chegar a 15% até junho

Valorização da moeda americana e quebra da safra de trigos do principal mercado fornecedor do País (Argentina) deve forçar reajustes para o consumidor final até o final do semestre

Beatriz Gomes

Manaus – Na semana passada, o dólar passou de R$ 3,62, na segunda-feira (14), de R$ 3,74, na sexta (18), e apesar de fechar a R$ 3,69 nesta segunda, com a intervenção do Banco Central, a alta da moeda americana já chega a R$ 11,32% no ano. Essa variação afeta não só aqueles que pretendem viajar para os Estados Unidos, mas também o nosso pão francês de cada dia. A expectativa dos panificadores é que até junho os preços sejam reajustados e massas e biscoitos devem sofrer aumentos de 12% a 15%.

Panificadoras avaliam impacto e setor de massas estima alta de 11% a 12%. (Foto: Jair Araújo)

O presidente do Sindicato da Indústria de Massas Alimentícias e Biscoitos de Manaus, Américo Esteves, explica que 50% do trigo que o Brasil consome é importado e boa parte vem da Argentina, mas com a quebra de safra do país vizinho, a materia-prima está vindo dos Estados Unidos e Europa, onde não há isenção de impostos. “Então além da tributação maior, a alta do dólar também agrava o valor dos produtos”, disse.

Mesmo com o consumo menos aquecido, a expectativa é que o reajuste aconteça até o final de junho. “Vamos esperar mais essa semana para ver se o dólar vai estabilizar, mas a projeção é de 12% a 15% de aumento”, ressalta Esteves.

Com a pressão do preço do trigo, a margem de lucro das indústrias de massas e biscoitos fica ainda mais achatada e a alternativa é empregar cada vez menos pessoas e diminuir a produção. No Estado, são sete empresas, três na capital e quatro no interior, que empregam entre 400 e 500 pessoas, direta e indiretamente, segundo o sindicato. Atualmente a capacidade de produção está em 70% com 30% de ociosidade.

Pão

Sem apontar um percentual de aumento, o presidente do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria do Amazonas (Sindpan), Carlos Azevedo, afirma que se o dólar continuar variando os empresários não terão como segurar o preço até o fim do mês. “Vamos avaliar até lá, mas é preciso entender que depende do custo de cada empresa, uma padaria menor em uma área menos nobre tem um custo menor, por isso o pão francês varia de R$ 5 a R$ 14,90, em Manaus”, disse.

Azevedo conta que no mês passado houve aumento de 5% no valor do trigo, em 16 de maio mais 5% e até o fim do mês devem aumentar mais 5%. “O mercado está muito variável, então não vai ser um aumento pontual, comum, mas de acordo com a necessidade de cada empresa”, destaca.

Atualmente, de acordo com o registro de empresas há aproximadamente 1,4 mil empresas panificadoras, em Manaus, segundo o Sindpan.