Economia ainda não reage como o esperado e alguns setores param

O economista Nelson Marconi reuniu dados de indústria, varejo e serviços e concluiu: “Não dá nem para dizer que há recuperação, mas uma estabilização”

Estadão Conteúdo / portal@d24am.com

Foto: EBC

São Paulo – Não fosse o agronegócio, que supera as melhores expectativas, não haveria muito o que comemorar na economia neste início de ano, segundo os economistas. O setor de serviços segue caindo, o varejo não reage e a indústria esboça recuperação abaixo do esperado.

As últimas semanas ainda foram marcadas pelo governo revisando, para pior, as contas públicas. Anunciou um contingenciamento de R$ 42 bilhões para manter o rombo de R$ 139 bilhões, neste ano. Também elevou a previsão de déficit, em 2018, de R$ 79 bilhões para R$ 129 bilhões.

O economista Nelson Marconi reuniu dados de indústria, varejo e serviços, retirou as oscilações ao longo do tempo (os chamados efeitos sazonais) e concluiu: “Não dá nem para dizer que há recuperação, mas uma estabilização num patamar baixo: estamos andando de lado no fundo do poço e, olhando para a frente, não há nada no cenário que mude isso”, diz ele.

Na verdade, na semana passada, o cenário mudou um pouco, mas para pior. O Placar da Previdência do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que a reforma previdenciária, carro-chefe do ajuste fiscal, hoje não seria aprovada no Congresso. “O mercado viu que há um gap entre a expectativa e a realidade política: o humor piorou e  vamos ter de ir corrigindo as projeções”, diz Evandro Buccini, economista-chefe da gestora de recursos Rio Bravo.

Para Mônica de Bolle, economista e pesquisadora do Instituto Peterson de Economia Internacional e colunista do jornal, o Brasil vai crescer zero, em 2017, sinal claro de que o País carece de ajustes de curto prazo. “O governo nunca fez ajuste de curto prazo, pelo contrário, até gastou mais e cobriu com o dinheiro da repatriação: o problema fiscal continua ali”, diz.

Para Mônica, o governo não poderia ter dado reajustes salariais aos servidores e já deveria ter cortado todas as desonerações. “Houve erro de cálculo e Fernando Henrique Cardoso tem uma frase para definir isso: todo mundo entra no governo achando que é dono do seu destino, mas não é assim na prática”, diz ela.

No espectro de projeções, na ponta otimista está a MB Associados, empresa de análise econômica, que projeta 1% de crescimento em 2017, com altas em todos os trimestres.