Feijão e arroz têm alta de mais de 100% nos preços em Manaus

Por Lílian Portela


Manaus – Devido a fatores climáticos no Sul e Sudeste do País e aumento na carga tributária, os dois principais itens do prato do brasileiro, feijão e arroz, sofreram um aumento de mais de 100% este ano, segundo revendedores e distribuidores de Manaus.

“Hoje, não estamos nem comprando feijão, principalmente, o carioquinha. Isso porque a saca de 60 kg está custando R$ 500. O reflexo desse aumento ainda não chegou aqui”, disse o proprietário da distribuidora Sógrãos, Edilson da Silva, acrescentando que esse último reajuste aconteceu, na semana passada.

O motivo principal é a quebra da safra ocasionada por problemas climáticos no Paraná e São Paulo, os dois maiores produtores. “Em janeiro deste ano, houve muita chuva e estragou a safra no Sul do Brasil. Já para colher a segunda safra, teve uma geada em abril também na mesma região, estragando as lavouras”, disse. A opção agora é esperar a terceira safra, que é em Minas e Goiás, e que deve estar saindo, em julho. “Mesmo assim, a oferta do produto ainda vai ser menor e essa produção é mais cara, por ser irrigada por máquinas”, explicou.

De acordo com Silva, o feijão carioquinha custava R$ 4,17 o quilo, em janeiro deste ano, hoje está saindo a R$ 10. Um aumento de quase 140% só nesses primeiros seis meses do ano. O feijão jalo também vem tendo aumentos sucessivos, desde o início do ano. Em janeiro, ele custava a R$ 6, atualmente está saindo a R$ 10. “Mas esses preços são de atacado”, ressaltou. Na feira da Manaus Moderna, o feijão jalo comercializado nas bancas custa de R$ 10 a R$ 15, o quilo. O carioquinha custa entre R$ 10 e R$ 12.

Já o arroz também foi atingido por problemas climáticos, segundo os revendedores. “Está chovendo muito no sul e sudeste, principalmente, no Rio Grande do Sul, que é o maior produtor do País”, disse o revendedor e distribuidor de arroz André Ozaki.

Segundo o revendedor e representante do arroz de Roraima Neysson Carnelosso, de maio para junho deste ano, o arroz teve um aumento de 5% a 6%. “Agora, a saca de 60 kg de arroz com casca está custando R$ 45. Até mês passado, era R$ 42,30”, disse. Em relação ao arroz de Boa Vista (RR), Carnelosso disse que 50% do arroz daqui vem do Estado vizinho.

“Mas quem determina o preço do arroz é o Rio Grande do Sul, lá é o termômetro do preço do mercado, como houve uma quebra de safra que além dos custos da matéria-prima, teve esse aumento”, disse.