Manaus tem carta-proposta de U$ 200 milhões do Banco Mundial

Recurso também contempla a integração do sistema aquaviário ao transporte público de Manaus

Com informações da assessoria

Manaus- Encerrando sua participação na conferência Cidades Resilientes do Banco Mundial, realizada esta semana na cidade de Bangkok, na Tailândia, o prefeito Arthur Virgílio Neto apresentou nesta sexta-feira (10), uma carta-proposta, no valor de U$ 200 milhões, para dotar com a infraestrutura necessária as comunidades situadas em áreas de risco, como a Nossa Senhora de Fátima, na zona Norte da capital. O recurso também contempla a integração do sistema aquaviário ao transporte coletivo de Manaus.

“Todos os dias de evento nessa conferência organizada e patrocinada pelo Banco Mundial foram muito proveitosos. Falamos sobre parceiras público-privadas, um dos carros-chefe da nossa gestão em Manaus, e as possibilidades de operações de créditos para melhorarmos a resistência da cidade diante aos desastres naturais, bem como para tornar as águas do nosso igarapé do Mindu mais navegáveis, dando um desafogo ao trânsito”, explicou Arthur Virgílio.

O projeto Navega Mindu foi inspirado na experiência bem-sucedida da cidade de Bangkok, que possui um sistema fluvial no rio Chao Phraia com mais de 30 estações de embarque e desembarque de passageiros, sendo algumas conectadas a terminais de ônibus e estações do metrô. As embarcações, que fazem o serviço de transporte regular de passageiros, têm tamanhos variados e transportam passageiros sentados e também em pé.

Em visita ao sistema de transporte do Chao Phraia, realizada pela Comitiva de Manaus na quinta-feira (9), o prefeito destacou as semelhanças das condições encontradas em Bangkok, que facilitariam a implementação de um sistema semelhante em Manaus. “Eu acredito que esse modal pode ser integrado ao BRT, que vamos implementar, e ao nosso sistema convencional de ônibus, porque nós temos muitos rios e igarapés navegáveis, como o Mindu e o Rio Negro”, avaliou Arthur.

No primeiro momento, a Prefeitura irá desenvolver um estudo técnico da navegabilidade do igarapé do Mindu para que, no futuro, seja possível criar um sistema de transporte intermodal na capital.

Cidade Resilientes

Com a participação da vice-governadora de Bangkok, Wanvilai Promlakano, a conferência Cidade Resilientes do Banco Munidal começou na última segunda-feira (6). O evento, voltado para o desenvolvimento social e para tornar as diferentes regiões do planeta mais preparadas aos desastres naturais, reuniu 26 cidades do mundo, convidadas pela instituição financeira internacional.

Ao longo de toda esta semana, a Comitiva de Manaus, composta pelo prefeito Arthur Virgílio Neto; pela primeira-dama e presidente do Fundo Manaus Solidária (FMS), Elisabeth Valeiko Ribeiro; pelo secretário de Finanças (Semef), Lourival Praia; o diretor-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Claudio Guenka; e pelo secretário de Comunicação (Semcom), Eric Gamboa, participou de palestras e debates, além de ser recebida pela equipe de Desenvolvimento Urbano e Unidade de Resiliência do Banco Mundial, capitaneada pelo diretor Sameh Naguib Wahba.

“O projeto de Manaus inclui aspectos econômicos, sociais e ambientais para o desenvolvimento urbano, reforçando os serviços e a infraestrutura da cidade e também o lado social para oferecer condições melhores para as famílias mais vulneráveis. Nesse sentido, o Banco Mundial está disponível e já trabalhando com a cidade para o desenho e execução do projeto, que é muito ambicioso e, para nós, representa uma parceria muito importante”, disse Wahba.

Como balanço final da conferência, o prefeito Arthur Virgílio destacou o aprendizado e a troca de experiência ao longo dos dias de evento. “Manaus tem vocação de cidade global e de efetiva competitividade, com enorme capacidade de atrair investidores, por isso deve se integrar a eventos dessa natureza, que só engradecem a gestão e fortalecem a imagem institucional de Manaus”, finalizou o prefeito da capital amazonense, Arthur Virgílio Neto.

COP23

Na 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP23), o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, realiza palestra sobre os projetos que buscam financiamento do Banco Mundial. O prefeito da cidade Bonn, anfitriã da COP23, Ashok-Alexander Sridharan, convidou o prefeito de Manaus a compor a Cúpula de Líderes Locais e Regionais na discussão global das mudanças climáticas.