Metade dos adultos no AM tem nome sujo, aponta Serasa Experian

Pesquisa da Serasa Experian aponta que, no Amazonas, a taxa da população adulta com dívidas em atraso chegou a 53,2%, a terceira maior do País, que registrou 40%, em média

Beatriz Gomes

Manaus – O Amazonas é o terceiro Estado com o maior índice de inadimplentes do País. De acordo com dados da Serasa Experian, divulgados nesta terça-feira (21), em julho de 2018, mais da metade da população adulta do Estado estava com contas em atraso, 53,2%, enquanto a média do Brasil é de 40,3% da população adulta inadimplente.

Amazonas é o terceiro Estado com o maior índice de inadimplentes do País. (Foto: Eraldo Lopes)

O número de consumidores com contas em atraso no Amazonas passou de 1,2 milhão, em julho do ano passado, para 1,4 milhão, em julho de 2018, um aumento de 11,7% com o nome no vermelho. O resultado corresponde a 2,3% do total de inadimplentes registrados no País.

Segundo o levantamento, o número de consumidores com dívidas em atraso no Brasil era de 61,6 milhões, o segundo maior desde 2016. O recorde da série foi registrado em junho, com 61,8 milhões de inadimplentes.

Na comparação com julho de 2017 (60,4 milhões), o índice teve aumento de 1,99%, já na comparação com junho deste ano, houve queda de 0,32%. O montante alcançado pelas dívidas em julho deste ano foi de R$ 272,5 bilhões, com média de quatro dívidas por CPF, totalizando R$ 4.426 por pessoa.

Segundo os economistas da Serasa Experian, o enfraquecimento do ritmo de crescimento econômico contribui para manter em patamares elevados as taxas de desemprego no País e, consequentemente, os níveis recordes de inadimplência do consumidor.

A inadimplência dos idosos, embora não seja a faixa mais elevada, foi a que mais cresceu nos últimos dois anos. Em julho deste ano, 35,1% dos brasileiros com mais de 61 anos de idade estavam com contas atrasadas. Se comparado ao mesmo período de 2016, a inadimplência desse público registrou crescimento de 2,6 pontos percentuais.

A faixa etária mais inadimplente continua sendo a dos adultos entre 36 e 40 anos, com 47,2% dos brasileiros inadimplentes. No entanto, observa-se que, nos dois últimos anos, a fatia de adultos inadimplentes cresceu muito menos do que a dos idosos. Já a que mais caiu foi a dos jovens, registrando queda de 2 pontos percentuais nos últimos dois anos.

As dívidas atrasadas com bancos e cartões de crédito possuem a maior representatividade, mas caíram 1,6 ponto percentual enquanto a participação dos segmentos de utilities, telefonia, serviços e financeira aumentou.

A taxa de inadimplência em Roraima, Amapá e Amazonas ficou acima de 50% da população adulta, já no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraíba está abaixo dos 35%.