No Amazonas, 20,9 mil deixam de sacar abono ano-base 2015

A taxa de retirada atingiu 93,73%, abaixo da média nacional de 94,36%, ao totalizar 313 mil beneficiados

Manaus – No Amazonas, 29,9 mil trabalhadores deixaram de sacar o abono salarial ano-base 2015, mesmo após a data de saque ser prorrogada por duas vezes, a última em 28 de dezembro de 2017. De acordo com o Ministério do Trabalho, a taxa de retirada no Estado atingiu 93,73%, abaixo da média nacional de 94,36%, ao totalizar 313 mil beneficiados no Amazonas, com o montante de R$ 217,2 milhões.

(Foto: Alex Silva/Agência Estado)

No País, 22,9 milhões de pessoas sacaram o abono que totalizou o montante de mais de R$ 16 bilhões, a maior parte na Região Sudeste, com a metade do total de trabalhadores beneficiados. No Norte foram pagos R$ 932,1 milhões para 1,3 milhão de pessoas. Cada trabalhador recebeu entre R$ 79 e R$ 937, dependendo do tempo trabalhado formalmente, em 2015.

O Nordeste foi a região com maior taxa de cobertura. O percentual de trabalhadores com direito ao abono que sacaram o beneficio chegou a 97,13%. No Piauí, por exemplo, a taxa de cobertura foi de 99,42%, a melhor do País. A região com menor desempenho foi o Centro-Oeste, onde 92,20% do total de beneficiários sacaram o dinheiro. O Distrito Federal teve o menor percentual, 86,62%.

Os recursos que não foram sacados até 28 de dezembro voltaram para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). O FAT é mantido com contribuição das empresas e seus recursos são destinados para pagamentos de abono salarial e seguro-desemprego.

De acordo com o secretário-executivo do Ministério do Trabalho, Helton Yomura, o abono é um recurso importante para o trabalhador. “Esse dinheiro é um direito dos trabalhadores. Por isso, o governo se esforçou para fazer com que ele chegasse até eles em um momento de recuperação da economia”, disse.