No Amazonas, 70% dos domicílios têm acesso à internet, segundo a PNAD

No período entre 2016 e 2017, houve um aumento de 6,8 pontos percentuais, na inclusão digital do Estado, a sexta maior alta registrada entre todas as Unidades da Federação, segundo o IBGE

Da Redação com assessoria / redacao@diarioam.com.br

Manaus – No Amazonas, o percentual de domicílios que utilizavam a Internet subiu de 63,2% para 70,0%, de 2016 para 2017, representando uma alta de 6,8 pontos percentuais; a sexta maior alta entre todas as Unidades da Federação. As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua TIC – Tecnologia da Informação e Comunicação 2017), pesquisa domiciliar do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que investiga o acesso à internet e à televisão, além da posse de telefone celular para uso pessoal.

Nesse período, a proporção de domicílios com telefone fixo caiu de 12,7% para 9,9%. Enquanto a presença do celular aumentou, passando de 88,0% para 89,6% dos domicílios do Estado.

O celular está presente em 89,6% dos domicílios do Estado (Foto: Eraldo Lopes/RDC)

Entre as 3,2 milhões de pessoas com 10 anos ou mais de idade no País, 59,6% acessaram a internet pelo menos uma vez nos três meses anteriores à pesquisa. Em números absolutos, esse contingente significa 1,9 milhão de pessoas, no período.

No intervalo entre 2016 e o ano passado, o percentual de pessoas que acessaram a internet através do aparelho celular aumentou de 94,3% para 97,9% e a parcela que usou a televisão para esse fim (internet) subiu de 6,4% para 9,5%.

Enviar ou receber mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail foi a finalidade de acesso à rede indicada por 96,9% dos usuários da Internet. Conversar por chamada de voz ou vídeo foi a finalidade que apresentou o maior aumento de 2016 (63,9%) para 2017 (81,1%).

No ano passado, 93,8% dos 1,07 milhão de domicílios do Estado do Amazonas havia aparelho de televisão. Em 61,4% desses domicílios, havia somente televisão de tela fina; em 25,7% dos domicílios, havia apenas TV de tubo catódito e em 6,7%, havia ambos.