Suframa terá mais recursos, diz gestor

O novo superintendente, o coronel reformado do Exército Alfredo de Menezes, destacou que entre as prioridades está o retorno do protagonismo da Suframa no desenvolvimento regional

Beatriz Gomes / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A autonomia financeira da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) é uma das prioridades elencadas pelo novo titular da autarquia, Alfredo Menezes Junior, que tomou posse, oficialmente, nesta terça-feira (19). O coronel reformado do Exército destacou que entre os principais temas da nova gestão está o retorno do protagonismo da Suframa no desenvolvimento regional.

Durante coletiva de imprensa, na sede dá autarquia, o superintendente destacou que recebeu do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, a garantia da avaliação do descontigenciamento dos recursos da Suframa. “Solicitei que estudassem com a equipe econômica a possibilidade de descontigenciar esses recursos para colocarmos a Suframa como protagonista e vetor de desenvolvimento regional”, disse Menezes.

Alfredo de Menezes assumiu, oficialmente, nesta terça-feira (19), a Suframa (Foto: Raquel Miranda/GDC)

O superintendente ressaltou que há, aproximadamente, 17 anos, a Suframa participou de convênios com diversos órgãos municipais e estaduais, o que permitiu obras como o aeroporto de Lábrea, frigorífico de Parintins, ponte no Acre, entre outras. “O nosso objetivo é fazer uma gestão austera, íntegra, moderna, com planejamento e fiscalização”, disse.

Menezes Júnior assinou, ainda nesta terça, na sede da Suframa, o termo de posse do novo titular da autarquia, oficializando o início da gestão. A assinatura, acompanhada pelo superintendente em exercício, Gustavo Igrejas, ocorre três dias após a publicação da nomeação de Menezes, pelo presidente Jair Bolsonaro, no Diário Oficial da União (DOU).

O coronel afirmou, ainda, que apesar de ter definido a equipe que deve assumir os cargos de confiança da autarquia, a nomeação ainda deve demorar algumas semanas. “Mesmo com a decisão de convidar alguém e ela aceitar, é preciso entrar no processo do próprio governo federal, que tem que passar pela diligência da Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Então, por mais que a gente convide e ele aceite esse convite, se tiver algo contra, não será nomeado. Estou na fase de convidar e receber as respostas. Eu espero que seja mais rápido que o meu (processo)”, disse, rindo. Após ser anunciado como o superintendente, em Brasília, a nomeação do coronel demorou mais de 40 dias para ser oficializada.

O superintendente também afirmou que vai solicitar a aprovação dos Processos Produtivos Básicos (PPB) pela Suframa. A aprovação dos PPBs é necessária para o início da fabricação de novos produtos e deve demorar no máximo 120 dias, mas já chegou a demorar até quatro anos.