Ufam diz que tem recursos e vai na contramão da crise

Na contramão da denúncia de falta de verbas feita pelo presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior, universidade local promete até investimentos

Com informações de agências/redacao@diarioam.com.br

Ufam informou que o orçamento da instituição, em 2017, é de R$ 645 milhões (Foto: Eraldo Lopes)

Manaus – Ao contrário do que disse, ontem, o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Emmanuel Tourinho, sobre a crise nas universidades federais do Brasil, a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) informou que os recursos desse ano são suficientes para manter a qualidade dos cursos e contratar novos professores. Em entrevista publicada pela Agência Brasil, Tourinho disse que os valores de custeio previstos para este ano para as universidades não são suficientes nem mesmo para as despesas regulares como energia e limpeza.

De acordo com Tourinho, diversas universidades federais estão precisando renegociar os contratos, reduzir os cardápios em restaurantes universitários e sofrem com falta de recursos para manutenção e atraso no pagamento de contas. Segundo o presidente da Andifes, os valores de custeio previstos para este ano para as universidades não são suficientes nem mesmo para as despesas regulares com energia, vigilância, limpeza, bolsas para os alunos de baixa renda e serviços de manutenção das instalações.

“Não será possível manter as instituições funcionando adequadamente se esse quadro não for rapidamente alterado. Os valores liberados até agora só garantem o funcionamento das instituições até setembro”, disse.

Segundo ele, não há recursos para concluir as obras inacabadas, e universidades mais antigas estão com infraestrutura deteriorada por falta de recursos para manutenção. Além disso, instituições novas estão funcionando em prédios alugados por falta de recursos para concluir as suas instalações

“É imprescindível recompor imediatamente os orçamentos das universidades federais. Estamos falando de um patrimônio dos mais valiosos para a sociedade brasileira e que está sendo colocado em risco. O prejuízo no longo prazo será incalculável”, disse Tourinho, que também é reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Amazonas

Segundo nota da assessoria de comunicação da Ufam, a verba da instituição é suficiente para manter a qualidade dos cursos de graduação e pós-graduação. “As Universidades Federais necessitam de recursos gradativamente maiores, ano após ano. Assim, as vagas já existentes serão mantidas e outras oferecidas, novos membros de um corpo docente e administrativo poderão ser contratados. É uma estrutura que se complementa para que a educação, num Estado com limites continentais como o Amazonas, permaneça fazendo a diferença na atual conjuntura econômico-social do País”, afirma a nota.

O orçamento da Ufam em 2016 foi de R$ 584 milhões e esse ano é de R$ 645 milhões. “Para 2018, o orçamento ainda não foi fechado, mas a Ufam irá executar projetos importantes para a nossa comunidade, como a obra da casa do Estudante, que será retomada em breve; a construção das sedes próprias do curso de Psicologia e do curso de Letras, e a segunda etapa do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), já em andamento”, conclui a nota.
A reportagem também entrou em contato com o Instituto Federal do Amazonas (Ifam), mas não obteve resposta até o fechamento da página.