ALE articula convocar Afonso Lobo e até instalar ‘CPI da Santo Remédio’

Da Redação / portal@d24am.com


Manaus – Deputados estaduais cobram a convocação do secretário de Estado da Fazenda, Afonso Lobo, na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) para dar explicações a respeito de matéria publicada, nessa terça-feira (20), pela REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) e avaliam até a instalação da ‘CPI da Santo Remédio’. A matéria revela que o secretário é um dos sócios da Tapajós Perfumaria Ltda., que tinha como sócios, até 2010, com os donos da Tapajós Comércio de Medicamentos Ltda., que faturou mais de R$ 36 milhões, desde 2010, em negócios com o Governo do Amazonas.

O deputado Bosco Saraiva (PSDB) deve encaminhar, nesta quarta-feira (21), um requerimento à Mesa Diretora da ALE solicitando a presença do secretário Afonso Lobo, para prestar esclarecimentos sobre o assunto. De acordo com Bosco Saraiva, os indícios apontados pelo DIÁRIO, são de extrema relevância.

Para o deputado José Ricardo (PT),  a apuração do fato pode resultar em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). “Do jeito que está colocado, não é impossível se propor a instalação de uma CPI. Nós estávamos pedindo uma CPI para investigar as denúncias da (operação) Maus Caminhos, que poderia ser estendida para verificar esta questão do secretário, ou outra específica para apurar estes casos envolvendo o secretário, por que não?”, frisou.

Já o deputado Platiny Soares (DEM) disse que a Assembleia não pode deixar passar nenhum indício de irregularidade. “É preciso investigar. Se for constatado, é nosso dever trazer uma solução. O povo do Amazonas não pode ser enganado pelo governo do Estado que diz que não tem dinheiro para uma coisa e logo depois aparecem escândalos atrás de escândalos”, disse.

Afirmando que já alertava desde o início do ano os contratos suspeitos, o deputado Luiz Castro (Rede) disse ser necessário rever todos os fornecedores do Estado para evitar irregularidades. “Sempre defendi que o Estado comprasse direto na fábrica, para que nenhum dono de empresa ou sócio fosse favorecido pelo governo. Os insumos, matérias-primas e medicamentos são  assuntos muito sérios e não podem ser deixados de lado pelo governo”, frisou.

Para a deputada Alessandra Campelo (PMDB),  todo agente público deve satisfação à sociedade. “O papel da Assembleia é fiscalizar e, todo e qualquer assunto, deve ser fiscalizado, respondido a esta casa e à sociedade. Inclusive, hoje, cobrei a instalação da CPI da Afeam que está a mais de um mês circulando aqui na Assembleia sem que a comissão seja instalada. Portanto, nenhum assunto que carece de investigação deve ser protelado”, disse.