Em Manaus, caminhada chama atenção para a violência contra o idoso

Manaus – Chamar a atenção para o cuidado com a pessoa idosa foi um dos objetivos da caminhada que reuniu, aproximadamente, 500 pessoas no bairro Nossa Senhora das Graças, na manhã desta quarta-feira (15). Promovido pela Fundação Doutor Thomas, o ato simbólico marcou o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa e seguiu da sede da FDT ao Parque Municipal do Idoso.

Na caminhada, o grupo usou balões e orientou as pessoas que passavam pela rua. Um dos moradores da FDT, Sebastião Santana, 79, participou reforçou que a violência contra a pessoa idosa é crime. “Não pode ter nenhum tipo de violência, tanto de agressão quanto verbal. As pessoas têm que cuidar da pessoa idosa”, disse.

Frequentadora assídua do Parque do Idoso, Margarida Matos, 86, acredita que o caminho para o fim da violência é a orientação para as pessoas mais novas. “Tudo começa na educação dos pais para os filhos. Além disso, hoje fomos às ruas chamar a atenção das autoridades e da população. Nós, idosos, ainda somos pessoas ativas. As pessoas precisam saber respeitar”, defendeu Margarida.

Até abril deste ano, mais de 2 mil casos de violência contra idosos já foram registrados em Manaus. A diretora da FDT, Martha Moutinho, destacou que a conscientização é importante, pois, muitas pessoas ainda vê o idoso como frágil. “Esse idoso tem que ser colocado sempre em atividade, porque quanto mais frágil o idoso fica, mas vítima em potencial ele é”, disse.

A diretora ainda destacou para aqueles que tiverem dificuldades para cuidar de algum idoso, pode entrar em contato com o Programa de Atendimento Domiciliar (PADI) através do disque 165. “Nós encaminhamos uma equipe a casa daquele idoso para orientar e conversar com a família. Além do programa, quem tiver condições pode procurar o nosso curso de Cuidadores de Idosos. O importante é buscar ajuda para cuidar desse idoso, dar atenção e deixá-lo sempre ativo”, completou.

Para denunciar crimes de violência contra a pessoa idosa, os interessados podem ligar para o disque 100 dos Direitos Humanos, Disque 181 da Secretaria de Segurança Pública ou Disque 165 do PADI.