Em Manaus, preço do feijão dispara 27,33% em junho, segundo Dieese

Manaus – Parceiro do arroz no tradicional prato brasileiro, o preço do feijão disparou 27,33% em apenas um mês, em Manaus. Segundo pesquisa da cesta básica, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o feijão foi o item que mais subiu de preço em junho e também no ano, na capital amazonense. O custo dos 12 itens da cesta básica chegou a R$ 384.

O feijão do tipo carioquinha, que havia subido 1,57% em maio, ficou ainda mais caro em junho, assim como em todas as capitais pesquisadas. De acordo com o Dieese, o clima influenciou na qualidade do grão e, com isso, o preço no varejo vem evoluindo desde o início do ano.

“A cultura do feijão também perdeu espaço para a soja e houve diminuição da área plantada. Em junho, os aumentos foram maiores e o Brasil passou a importar feijão na tentativa de suprir a demanda. No entanto, quase nenhum outro país produz feijão carioquinha”, informa a pesquisa do Dieese. A expectativa é o ciclo de safra irrigada do feijão ou de inverno, que começa em julho, possa normalizar a oferta do produto nas prateleiras.

Enquanto o preço não baixa, o consumidor de Manaus enfrenta um aumento de 72,94% apenas em 2016.

A manteiga, outro tradicional item utilizado juntamente com o pão, subiu 10,02% em junho. Segundo o Dieese, o alimento subiu em todas as capitais por conta da disputa, entre as indústrias de laticínios, do pouco leite ofertado no mercado, o que elevou ainda mais o preço dos derivados lácteos. No ano, a manteiga está 29,22% mais cara.

Já o tomate, cujo preço sofre grande variação, em junho caiu 5,33%. Demanda retraída, grande quantidade ofertada e frutos manchados pelo clima reduziram o preço do tomate no mercado, aponta o Dieese.

Com a redução de sete itens, entre eles o tomate, o preço da cesta básica de Manaus caiu 0,54% em relação ao mês de maio, ficando em R$ 384, a 19ª mais cara do Brasil.