Funcionários demitidos jogam lixo na Prefeitura de Manacapuru por não receber salários

Álisson Castro / portal@d24am.com


Manaus – Prestadores de serviços da área de Saúde demitidos da Prefeitura de Manacapuru realizaram, nessa quarta-feira (15), um protesto contra não pagamento de quatro meses de salário e jogaram lixo na sede do poder municipal. Um grupo ainda foi até a casa do prefeito Jaziel Nunes de Alencar, o ‘Tororó’ (PMDB).

De acordo com a secretária-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Serviços de Saúde no Estado do Amazonas (Sindpriv), Graciete Mouzinho,  a intenção era fazer uma manifestação pacífica, mas a situação, segundo a sindicalista, saiu do controle.

“As pessoas estão muito revoltadas e começaram a jogar coisas nos prédios públicos. Você imagina ficar quatro meses sem receber salário, sem vale-transporte, sem perspectiva. Então, jogaram tinta na prefeitura, quebraram vidros das janelas. Deu medo, é claro que nós do sindicato apoiamos os trabalhadores, mas não este tipo de atitude, mas as pessoas estão muito revoltadas”, disse Graciete.

Segundo a secretária-geral do Sindpriv, os trabalhadores foram demitidos e substituídos por outras pessoas. “O prefeito prometeu que iria resolver, mas não deu em nada, não houve o pagamento e, por isto, o povo se revoltou”, afirmou.
O comandante do 9º Batalhão da Polícia Militar (BPM) de Manacapuru, major André Luiz Gioia, afirmou que a manifestação começou por volta das 10h e policiais militares acompanharam a movimentação que teve por volta de 60 pessoas, mas ninguém foi preso. “Quando a polícia chegou ao local, já tinha ocorrido a situação, aí nós acompanhamos até a casa do prefeito, onde eles tentaram jogar lixo, mas a polícia estava no local e minimizou a situação”, afirmou.

De acordo com o major, a grande maioria dos servidores é da área de Saúde. “Eles entraram na prefeitura, destruíram algumas coisas lá por dentro, na Câmara dos Vereadores e na Semsa (Secretaria Municipal de Saúde)”, disse.

O representante da Prefeitura de Manacapuru em Manaus, Gilson Gabriel Farias afirmou que os atrasos para pagamento de servidores tem ocorrido por causa da crise financeira. “Se até Estado como o Rio de Janeiro, com um orçamento de bilhões, não está conseguindo pagar seus funcionários, você imagina uma cidade do tamanho de Manacapuru que também é afetada por esta crise”, disse.

Farias afirmou, ainda, que a prefeitura também está tendo dificuldades para manter o Hospital Municipal. “Nós atendemos, praticamente, pacientes de seis municípios, próximos a Manacapuru, é uma demanda muito grande de pessoas”, disse.

Quanto à expectativa de pagamentos dos trabalhadores dispensados, o representante disse que tem que ser negociado com o prefeito eleito, Beto Dângelo (PROS), que irá assumir no próximo ano.