Irmãos mataram motorista após roubar R$ 55 e porta do ônibus travar, diz polícia

Thiago Monteiro /Diário do Amazonas


Manaus – Os irmãos Isaías Farias Nunes, 18, e Adailton Farias Nunes, 24, confessaram na manhã desta segunda-feira (14), que mataram o motorista Feitosa de Amorim Felix, 41, na noite do último domingo, na linha 093, na Alameda Cosme Ferreira, na zona leste de Manaus. A dupla nega o roubo ao coletivo. Nesta manhã, rodoviários da empresa Global Green paralisaram atividades em protesto contra o crime.

De acordo com o delegado Christiano Castilho, do 14° Distrito Integrado de Polícia (DIP), informou que a dupla roubou R$ 55 do ônibus e matou o motorista porque a porta do veículo travou. “Mataram um homem que estava trabalhando por causa de uma quantia irrisória e porque ficaram nervosos”, disse o delegado.

Segundo ele, a cobradora, que não teve o nome divulgado, chamou moradores e comerciantes da região, que atacaram os assaltantes com soco, chutes e pauladas.

A vítima e os irmãos foram levados para o Hospital e Pronto Socorro João Lucio, zona leste. O motorista Feitosa Felix faleceu e os assaltantes sobreviveram.

À reportagem, Isaías afirmou que esfaqueou o motorista porque a vitima o atacou com uma barra de ferro. “Não estávamos assaltando. Acho que nos confundiram com algum ladrão. Eu estava conversando com a cobradora quando aconteceu tudo isso”, explicou.

De acordo com Adailton, ele já havia passado da catraca do ônibus, quando viu o irmão sendo atacado. “Eu só fui ajudar ele. Não assaltamos ninguém”, disse. Adailton já responde na Justiça por tráfico de drogas.

A dupla foi autuada por latrocínio, roubo seguido de morte no 14° DIP. Eles serão levados para o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

Paralisação

Na manhã desta segunda, rodoviários paralisaram atividades na empresa Global Green, que atende a zona leste da capital. De acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), cerca de 150 mil pessoas foram afetadas. A Global Green opera em 39 linhas, com 220 ônibus, que atendem somente os bairros da zona Leste.

Os rodoviários pedem por mais segurança dizem não haver previsão para a retomada de serviços. Alguns dos funcionários foram ao velório do motorista assassinado, que ocorre em uma igreja na Rua Mirra, no bairro João Paulo II. O enterro será realizado nesta terça-feira (15), no Cemitério Tarumã.

Orientados a não reagir em casos de assalto aos ônibus, o motorista da Global, Marcondes Brasil, afirma que a recomendação não salva vidas. Segundo ele, a morte do colega ocorreu mesmo sem que ele reagisse .

“Olha aí, o colega não reagiu e mesmo assim ele morreu. O bandido pediu algo dele e como ele não tinha meteram a faca nele. A verdade é que estamos à mercê da sorte, sem segurança”, criticou.

Crime

Segundo nota do Sinetram, o latrocínio ocorreu na noite de domingo (13), quando dois homens entraram no ônibus e anunciaram o assalto nas proximidades do conjunto Castanheiras, na zona Leste. Feitosa foi atingido com uma facada no pescoço e socorrido ao Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, também na zona Leste, mas não resistiu ao ferimento.

Durante a fuga, os dois suspeitos foram capturados e espancados pela população  até a chegada da polícia. Eles também foram levados para o João Lúcio e em seguida encaminhados para o 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde o caso foi registrado.

Entre janeiro e outubro as dez empresas que compõem o sistema de transporte coletivo de Manaus registaram 2.767 assaltos, uma média de 10 ocorrências por dia. O prejuízo já chega a mais de R$ 804 mil, valor que dava para adquirir três ônibus novos. No mesmo período do ano passado, foram registrados 2.203 assaltos.