Justiça Eleitoral: Mesários têm direito a vantagens em concursos públicos

O trabalho de mesário é considerado um serviço de relevância pela Justiça Eleitoral e fundamental para o bom andamento das eleições. Apesar de não serem remunerados pelos serviços prestados, os mesários convocados ou voluntários têm direitos a alguns benefícios específicos, como a vantagem nos critérios de desempate em concursos públicos da Justiça Eleitoral e, caso previsto em edital, também de concursos de outros órgãos públicos. Os mesários e componentes das juntas apuradoras recebem dispensa do trabalho (público ou privado) pelo dobro dos dias prestados à Justiça Eleitoral, auxílio-alimentação para o dia da eleição e créditos em disciplinas de cursos em instituições de Ensino Superior, caso sejam conveniadas com os tribunais regionais eleitorais.

Com diferença de 106,7 mil votos, Arthur disputa com Marcelo

s eleitores de Manaus só vão conhecer o novo prefeito no próximo dia 30, quando será realizado o segundo turno das Eleições 2016. Arthur Neto (PSDB) conseguiu 364.485 dos votos válidos, o equivalente a 35,17%, ou  106.796 votos a mais que os 257.689 (24,86% dos votos válidos) alcançados por Marcelo Ramos (PR). Em Manaus, ontem, houve comparecimento de 1.149.103 eleitores às urnas, o equivalente a 91,41% do eleitorado da cidade. Ao todo, foram contabilizados 43.338 votos brancos (3,77%) e 69.373 votos nulos (6,04%). O índice de abstenção foi de 8,59%. Arthur Neto concorre à reeleição pela coligação Por Uma Só Manaus (PSL/PP/PMDB/PTN/PHS/PSDB/PV/PPL/PTB/ PRP), juntamente com o seu vice Marcos Rotta, do PMDB. Já Marcelo Ramos, é candidato pela coligação Mudança Para Transformar (PR/PT do B/PTC/PEN/PSD/ PROS/DEM), juntamente com o vice Josué Neto (PSD). Ambos, agora, seguem na disputa pelo apoio dos demais candidatos melhores colocados nas urnas.

Eleições tranquilas

O clima no dia da votação em Manaus foi tranquilo e poucos foram os problemas enfrentados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), assim como a atuação das forças policiais.

Bocas caladas

A população foi aos locais de votação sem contratempos e a boca de urna foi quase que totalmente ignorada nas proximidades das seções eleitorais.

Santinhos reprovados

O que chamou a atenção de forma negativa pelos eleitores foram os santinhos espalhados nas calçadas e sarjetas da capital. Quem foi votar reprovou a atitude de candidatos de sujar as vias públicas. A prática também é crime eleitoral.

Infrações no interior 1

Se em Manaus a votação foi tranquila, em alguns municípios do interior, houve muita infração eleitoral. As apreensões de dinheiro deram o tom do pleito em algumas cidades.

Infrações no interior 2

Em Humaitá, por exemplo, foram apreendidos R$ 143 mil. Em Alvarães, R$ 40 mil e, em Parintins, R$ 50 mil, além de uma embarcação apreendida com 200 eleitores no município de Tefé.

Feito inédito em SP

Em São Paulo, o candidato do PSDB, João Doria, foi eleito prefeito, ontem. Com mais de 53% dos votos válidos. Em segundo lugar ficou o atual prefeito, Fernando Haddad (PT), com 16,67%. Foi a primeira vez que uma eleição na capital paulista foi decidida ainda em primeiro turno.

Nova batalha

Após a disputa nas urnas, alguns candidatos terão outra batalha para enfrentar: a Justiça Eleitoral, informou, ontem, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes.

‘Insegurança jurídica’

O presidente do TSE anunciou que a Corte tem 499 recursos que questionam candidaturas para serem analisados. Os casos serão julgados a partir de amanhã. Para o ministro, as pendências eleitorais geram um quadro de “insegurança jurídica”.

Campanha econômica

Gilmar Mendes disse, ainda, que, com a proibição de doações de pessoas jurídicas, nas campanhas, os gastos declarados pelos candidatos chegaram a R$ 2,1 bilhões. Em 2012, esses gastos chegaram a R$ 6,2 bilhões.

SP: Doria afirma que ‘vai governar para todos’

Momentos antes do fim das apurações das eleições municipais de São Paulo, que já apontava sua vitória em primeiro turno, João Doria (PSDB) disse, em entrevista à GloboNews, que irá governar para todos. “Como um gestor correto, decente e honesto”.

Dilma: é absurdo impedir imprensa de acompanhar

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) classificou como “absurda” e “antidemocrática” a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS) de impedir que a imprensa registrasse o momento de sua votação, na tarde de ontem, na capital gaúcha.