Mais de 50 casos suspeitos de sarampo são notificados em Manaus; um caso está sob investigação no interior

Boletim sobre sarampo informa a notificação de 58 casos suspeitos, um descartado, quatro confirmados e 53 sob investigação na capital. Também há um caso suspeito de uma criança no município de Humaitá

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) e Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) divulgaram o Boletim Epidemiológico de Manaus sobre sarampo informado a notificação de 58 casos suspeitos, um descartado, quatro confirmados e 53 sob investigação na capital. A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) também está considerando como suspeito o caso de uma criança em Humaitá (a 590 quilômetros a sudoeste de Manaus).

Mais de 50 casos suspeitos de sarampo são notificados em Manaus. (Foto: EBC)

A Nota Técnica define o fluxo de pacientes com suspeita de sarampo, entre as unidades de saúde da capital e do interior, levando em consideração o quadro de surto epidemiológico de sarampo em Manaus e a possibilidade de extensão para o interior do estado. O documento, conforme explica o secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, define as unidades de porta de entrada para os casos com suspeita de sarampo e as de referência para receber os pacientes para tratamento.

A porta de entrada de casos suspeitos de sarampo, ou seja, onde o paciente deve buscar atendimento, é formada, principalmente, pela rede de atenção básica dos municípios e, no âmbito Estadual, os Centos de Atenção Integral à Criança (Caics), prontos-socorros infantis e Serviços de Pronto Atendimento (SPAs), prontos-socorros adultos e os hospitais gerais. Essas unidades, diz a nota, devem definir ambiente exclusivo para avaliação e observação dos casos suspeitos, até o encaminhamento dos mesmos aos hospitais de referência da capital.

Ficam estabelecidas como unidades de referência: Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), Hospital Infantil Dr. Fajardo, Hospital e Pronto-Socorro da Zona Norte (HPS Zona Norte) e o HPS Platão Araújo. Até então, a FMT-HVD era a única unidade de referência para casos suspeitos. Agora, para lá, devem ser encaminhadas as pessoas (adultos e crianças) que apresentem quadro grave da doença, necessitando de cuidados intensivos. A FMT-HVD também receberá pacientes adultos, sem evidências de gravidade, das zonas sul, centro-sul e leste, além de adultos e crianças da zona oeste e dos municípios do interior do estado.

O Hospital Infantil Dr. Fajardo fica responsável pela demanda de crianças referenciadas da rede de serviços de saúde da região sul da capital, com suspeita de sarampo, sem evidências de gravidade. Já os pacientes (crianças e adultos) das unidades da zona norte serão encaminhados para o Hospital e Pronto-Socorro da Zona Norte. O HPS Platão Araújo receberá crianças, sem quadro grave, referenciadas pelas unidades da zona leste.

Todas as unidades de referência encontram-se com alas previamente definidas para receber os pacientes. No HPS Zona Norte, onde 23 pessoas com suspeita de sarampo deram entrada, foi preparada uma enfermaria de nove leitos e mais quatro leitos de isolamento. Seis pessoas estão internadas no local. Nas ações, coordenadas pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar da unidade, foi estabelecido fluxo de pacientes e, semanalmente, são feitos treinamentos para reforçar o passo a passo da condução dos casos.

Quando um caso suspeito é identificado, são coletadas amostras para exames e é feita a notificação e comunicação aos órgãos de saúde, além de internação na enfermaria de coorte ou no isolamento. A maioria dos pacientes são crianças menores de um ano. Há dois casos em que os pais desses pacientes também apresentaram os sintomas.

Interior

A FVS-AM recebeu, na segunda-feira (26), a notificação de caso suspeito de sarampo em Humaitá. A notificação é de uma criança de 1 ano de idade, que se encontra internada em isolamento no hospital local. De acordo com o diretor-presidente da FVS-AM, Bernardino Albuquerque, a vigilância local seguiu o preconizado na Nota Técnica nº5, expedida pelo órgão, de forma oportuna e imediata.

“Após a notificação, a equipe de vigilância epidemiológica local coletou amostra, que será enviada para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-FVS). Ainda nesta terça-feira, seguiu para busca ativa de novos casos, além da realização do bloqueio vacinal de percurso de contato do caso suspeito”, disse.

Segundo ele, a equipe de vigilância está em campo realizando a investigação. “As informações preliminares são de que não há histórico da saída da criança do município, porém há relatos de chegada de uma tia oriunda de Manaus, antes dos sinais de sintomas da criança”, explica Bernardino.

Capital

A intensificação da vacinação contra o sarampo em crianças já a partir de seis meses até os 5 anos de idade, em toda a cidade, é uma das estratégias anunciadas, nesta terça-feira (27), pela Prefeitura de Manaus para evitar o avanço da doença na capital. A medida foi tomada durante a divulgação pela Sala de Situação de Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), do terceiro boletim epidemiológico do monitoramento que aponta 58 casos suspeitos de sarampo em Manaus, dos quais um foi descartado, quatro confirmados e 53 permanecem em investigação. A faixa etária de rotina, preconizada pelo Ministério da Saúde é de 12 meses a 49 anos.

“Estamos ampliando o público-alvo e intensificando a vacinação nessa faixa etária para aumentarmos ainda mais o cerco nessa operação de combate ao sarampo. A orientação é no sentido de interrompermos o mais breve possível a cadeia de transmissão, evitando, assim, que o vírus se propague pela cidade”, explicou o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, destacando que a vacinação é a forma mais eficaz de prevenção contra o sarampo. A decisão foi tomada durante reunião da Sala de Situação, da qual também participaram representantes da FVS, FMT, Ministério da Saúde e Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS).

Ações extramuros

A intensificação da vacinação reforça as ações de combate à doença que a Semsa vem desenvolvendo desde a notificação dos primeiros casos suspeitos. Nesta terça-feira, começaram a se apresentar os 128 profissionais (enfermeiros e técnicos de enfermagem) que vão compor as equipes de todos os Distritos de Saúde (DISAS). Ainda dentro do sistema de varredura, com visitas casa a casa, haverá intensificação das ações em áreas cobertas pelas unidades da Estratégia Saúde da Família (ESF), em todas as zonas da cidade.

As ações também passam a ocorrer em locais onde existe grande concentração de pessoas. O plano de ação da Semsa contempla a articulação de postos de vacinação em shoppings, unidades educacionais do Programa Saúde na Escola, hospitais, maternidades, além das unidades de saúde e ambulatórios.As equipes da Semsa também vão realizar reuniões com Pastorais da Criança e da Saúde para que possam integrar as visitas domiciliares para fazer a triagem nos cartões de vacina. Em articulação com as universidades, os alunos que cumprem estágios em UBSs vão ser direcionados para atuar no Plano de Contingência do Sarampo.