Mesa diretora da Assembleia ainda não definiu data para instalar CPI da Afeam

Da Redação / portal@d24am.com


Manaus – A Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE) ainda não definiu uma data para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Agência de Fomento do Amazonas (Afeam) sobre a aplicação de valores, equivalentes a R$ 20 milhões, em cotas do Fundo de Investimento em participações Expert (Fip Expert), ‘investimento milionário e de alto risco que indica indício de má aplicação de recursos públicos’.

O pedido de CPI foi encaminhado à mesa diretora no último dia 22 de novembro, com nove assinaturas, porém, ainda está parado na Procuradoria Geral da Assembleia.

De acordo com o deputado estadual Luiz Castro (Rede), a mesa diretora vem protelando a instauração da CPI em uma tentativa de proteger o governo do desgaste que terá durante as investigações.

“Nós (oposição) vamos continuar cobrando e, hoje, vamos pedir explicações sobre o andamento desta CPI, que não tem motivos para ser adiada. Essa demora talvez seja uma tentativa de adiar ao máximo e ganhar tempo para o próximo ano ou até ficar esquecido esse assunto”, comentou.

Para o deputado, o indício da má aplicação do dinheiro público é muito grande, pois, segundo ele, foi uma decisão que causou prejuízos à Afeam e ao Estado. Castro defende, ainda, uma analise da gestão da Agencia de Fomento nos últimos anos. “Acredito que todo esse dinheiro deveria ser investido no interior e na capital, com empréstimos para micro empresários locais, gerando emprego e renda no Amazonas”, ressaltou.

O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, deputado Josué Neto (PSD), afirmou, na última semana, que o pedido de CPI da Afeam está seguindo o trâmite normal dentro da Casa Legislativa e que não há nenhuma “manobra protelatória” em andamento.

Os nove deputados que assinaram a CPI foram Alessandra Campelo (PMDB), Bosco Saraiva (PSDB), Cabo Maciel (PR), José Ricardo (PT), Luiz Castro (PPS), Platiny Soares (DEM), Sinésio Campos (PT), Vicente Lopes (PMDB) e Wanderley Dallas (PMDB).

De acordo com o próprio presidente da Casa, a CPI teria um prazo de 15 dias para ser instaurada, no entanto, não foi isso que ocorreu. Fato que vem incomodando a oposição do governo na Assembleia.