No AM, 9,5 mil trabalhadores ainda não sacaram o abono salarial

Laís Motta / Diário do Amazonas


Manaus – Mais de 9,5 mil trabalhadores do Amazonas têm dois meses para sacar o abono salarial, ano-base 2014. O volume a ser pago é referente ao benefício do Programa de Integração Social (PIS) e do  Programa de Formação do Patrimônio do Servidor (Pasep), que no Estado chega a R$ 8,41 milhões.

Para este exercício, cujo pagamento o governo prorrogou o período do saque, apenas 29,2% já retiraram o abono no Amazonas, equivalente a 3,9 mil trabalhadores que sacaram  R$ 3,4 milhões, segundo os dados do minIstério, até o último dia 4 de novembro.

O prazo para retirar o benefício vai até 30 de dezembro. Este prazo foi prorrogado pelo Ministério do Trabalho, por meio da Resolução nº 771/2016, de 28 de julho. De acordo com o ministério,  13,5 mil trabalhadores do Amazonas têm direito ao benefício naquele exercício e desse montante.

O recurso equivalente a um salário mínimo (R$ 880) que não for sacado pelo cidadão será devolvido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O abono é um direito do trabalhador que está inscrito no PIS/Pasep por pelo menos cinco anos; tenha trabalhado no mínimo 30 dias em 2014, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. É preciso ter tido, ainda, os dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Brasil

Em todo o País, 948,2  mil trabalhadores ainda podem sacar o abono salarial. O volume a ser pago em todo o País chega a R$ 872 milhões.

Para saber se tem direito ao abono, o trabalhador pode fazer a consulta pela internet, no site http://trabalho.gov.br/abono-salarial/. É preciso inserir o CPF ou o número do PIS/Pasep, com a data de nascimento, no site.

Para sacar o abono do PIS, o trabalhador que possuir cartão cidadão e senha cadastrada pode ir até os terminais de autoatendimento da Caixa Econômica Federal (Caixa) ou a uma loteria. Se não tiver o cartão,  pode receber o abono em qualquer agência da Caixa, apresentando um documento de identificação. Nas agências bancárias, é recomendado que o trabalhador, quando não conseguir sacar, solicite uma consulta a partir do seu CPF.